CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Marcos Legais fortalecem oportunidades de negócios para MPEs

Obras de infraestrutura e mobilidade urbana para a Copa 2014 têm várias oportunidades de negócios para construtores de pequeno porte.

A agenda econômica cria, nos próximos cinco anos, um cenário de oportunidades para as micro e pequenas empresas e Empreendedores Individuais (EI) no Brasil. Essas oportunidades se devem, em grande medida, à realização no País de megaeventos, que geram demandas nos setores Privado e Público, sendo que as feitas pelo governo são investimentos ligados à infraestrutura e mobilidade urbana. Isso significa que as MPEs têm uma chance a mais de prestar serviço para o Poder Público (Federal, Estadual e Municipal), uma vez que os negócios de micro e pequeno porte são beneficiados pela Lei de Licitação.

O Capítulo V da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas (LC 123/06 ) assegura às micro e pequenas empresas tratamento diferenciado nas licitações públicas e integra a Lei 12.462, que estabelece e dispõe sobre o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC). O RDC estabelece regras específicas para as licitações de obras e serviços relacionados às Copas das Confederações (2013) e do Mundo (2014), além das Olimpíadas (2016).

Tratamento diferenciado

Este importante conjunto de marcos legais privilegia as micro e pequenas empresas nas oportunidades vinculadas à Copa do Mundo, viabilizando situações especiais como:

  • A comprovação de regularidade fiscal somente será exigida na assinatura do contrato;
  • A documentação exigida para efeito de comprovação de regularidade será aceita, ainda que apresente alguma restrição;
  • Havendo restrição na comprovação da regularidade acima mencionada e a micro e pequena empresa for declarada vencedora, terá assegurado o prazo de dois dias, prorrogáveis a critério do órgão demandante, para proceder a regularização da documentação e eventuais pagamentos e/ou prorrogação do débito;
  • Nas situações em que as propostas das micro e pequenas empresas sejam iguais ou até 10% superiores às propostas melhores classificadas e, na modalidade de pregão, até 5%, será assegurado as micro e pequenas empresas o direito de apresentar nova proposta de preço inferior àquela considerada vencedora, permitindo vencer o certame licitatório.

As micro e pequenas empresas também têm tratamento diferenciado e simplificado nos seguintes casos:

  • Participação exclusiva das micro e pequenas empresas nas contratações da administração pública nos três níveis (federal, estadual e municipal) cujo valor seja de até R$ 80 mil;
  • É exigida dos licitantes a subcontratação das micro e pequenas empresas em percentual máximo de 30% do total licitado;
  • Cota de 25% do objeto para a contratação das micro e pequenas empresas em processos de aquisição de bens e serviços de natureza divisível, do total licitado em cada ano civil.

Lei da Copa

Outro marco legal de grande importância é a Lei Geral da Copa – Projeto de Lei 2330/2011, aprovada pelo Congresso Nacional nesta quarta-feira (9) e encaminhado para sanção da presidenta da República Dilma Rousseff. A Lei Geral da Copa regula procedimentos que são de interesse das micro e pequenas empresas, como:

  • Proteção e exploração de direitos comerciais;
  • Proteção especial aos direitos de propriedade industrial relacionado aos eventos;
  • Áreas de restrição comercial e vias de acesso;
  • Captação de imagem ou sons, radiodifusão e acesso aos locais oficiais de competição.

Matéria veiculada pelo jornal Valor Econômico no dia 1º de maio ressalta a baixa utilização do Regime Diferenciado de Contratações Públicas. Quando o RDC é utilizado, normalmente, ocorre na esfera federal. Destacam-se as iniciativas da Infraero nas obras aeroportuárias.

É fundamental a mobilização para que se expanda nas esferas de governos estaduais e municipais a utilização desses marcos legais que incluem as prerrogativas de apoio as micro e pequenas empresas. Para que esses dispositivos sejam de fato acionados, faz-se necessária regulamentação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas pelos governos estaduais e municipais, bem como os agentes econômicos devem atuar para que estes privilégios legais estejam previstos, de forma expressa, nos instrumentos convocatórios das licitações.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário