CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

4 dicas para não enlouquecer em um negócio familiar

4 dicas para não enlouquecer em um negócio familiar

Família e negócios se misturam com frequência e é preciso saber administrar as relações
Foto: Dreamstime
Quando um empreendedor
pensa em abrir um negócio, mas não tem sócios, ele corre buscar algum
familiar disposto a entrar na sociedade. O que parece ser mais seguro e
confiável, no entanto, pode se transformar em um pesadelo. “Existe uma
grande dificuldade em separar família de empresa”, diz Pedro Martins
Parreira, diretor da Parcon Consultoria. 

Fernando Massi, sócio-fundador da rede Ortodontic Center, conhece bem
esta situação. Há quatro anos, ele e a esposa, Ana Lucia de Souza Massi,
convivem juntos no comando do negócio e da casa. “Minha mulher e alguns
parentes estão na rede como franqueados. As divergências de opinião
acontecem a toda hora. Tem que separar trabalho e relacionamento, mas a
gente acaba misturando”, diz Massi.

O empresário conta que muitas decisões importantes geram conflitos
entre o casal. “A gente acaba se desentendendo nas reuniões e é difícil
chegar a um acordo no mesmo dia”, diz. Para evitar arruinar a empresa,
eles decidiram criar um conselho que ajuda em questões estratégicas do
negócio. “A gente coloca tudo em votação com assessores e coachings de
cada área. Isso faz uma grande diferença e a empresa deixa de ser tão
familiar com o conhecimento especifico dessas pessoas”, afirma.

Para manter a sanidade, não arruinar as relações familiares e proteger o
negócio, veja as dicas de quem entende do assunto para ter sucesso com
uma empresa familiar. 

1) Divida as tarefas

Assim como Fernando e Ana Lucia, marido e mulher costumam dividir a
sociedade da empresa e a divergência de opiniões pode causar estragos no
relacionamento. Para Joseane Gomes, diretora comercial da consultoria
Ametista Gestão, é preciso que cada um tenha um departamento para
cuidar. “É muito difícil estar na mesma área com o mesmo poder de
decisão e ter sucesso.
Opiniões pessoais são difíceis de mudar e ainda entra sentimento. É
preciso fazer uma gestão separada dentro da empresa”, diz Joseane.

Parreira complementa que esta é também uma maneira de aproveitar o que
cada um tem de melhor. “Um dos fatores mais importantes da gestão está
na soma do capital intelectual da sua equipe interna”, explica.

2) Seja profissional
Empresas que mantêm uma gestão familiar por muitos anos acabam ficando
com a cara do dono, em todos os aspectos. Por exemplo, se o proprietário
não gosta de determinada tecnologia, ela não é usada, mesmo que isso
represente um crescimento menor.
“Empresas assim carregam uma carga muito forte da formação dos seus
donos. Valores morais, aspectos culturais, formação escolar e o modo de
vida do dono são transferidos para o negócio”, explica Parreira. A
sugestão é fazer um diagnóstico dos pontos fortes e fracos e ver onde a
família interfere nos resultados do negócio.
3) Tenha paciência
Além da paixão dos empreendedores, essas empresas lidam com os
sentimentos da família. “Quando mistura o familiar com o profissional,
você tem muita opinião e os interesses são muito opostos. Isso é difícil
de administrar”, opina Joseane. Nesta hora, é importante manter a calma
e ser racional na hora de tomar as decisões do negócio.
4) Prepare um sucessor
O problema maior da gestão familiar é quando o fundador não preparou um
sucessor adequadamente. “Eu acredito no chão de fábrica. Quando você
vai preparar alguém para ser o sucessor, você tem que levar a pessoa
para começar lá de baixo, na produção e atendendo clientes”, sugere
Joseane. 
Segundo ela, um dos maiores erros é colocar filhos em diretoria, sem
que eles conheçam o negócio a fundo. “Os valores da empresa não são
repassados”, conta. Por isso, respeitar a vontade dos herdeiros e se
preparar para uma gestão nas mãos de alguém de fora da família é
importante. “Se não tem cabeça aberta e acompanha o mercado, não tem
sucessão, os filhos ficam frustrados e acabam saindo do negócio”,
explica.
Fonte: Exame

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae