CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Como melhorar o site da sua empresa

Como melhorar o site da sua empresa

Estabelecer qual é o objetivo do site e estar presente nas redes sociais são algumas recomendações
Foto: Dreamstime
Seja dono de uma pequena ou média empresa, o empreendedor deve investir em um bom site
para que a sua marca tenha visibilidade. “Antes de fazer um site é
preciso entender qual é o objetivo dele. São vários formatos existentes,
cada um deles com características específicas como site institucional,
de relação com investidores, comercial e prestação de serviço”, diz
Fernando de La Riva, especialista em negócios digitais. Por isso, cada
um deles deve ter características e estratégias específicas que
maximizem o seu objetivo e convertam o fluxo de acesso em lucro certo.

É essencial se ater ao conteúdo que você passa ao seu cliente. “Quanto
mais informação relevante tiver, melhor. Se você tem produtos para
mostrar, por exemplo, explore ferramentas como vídeo e fotos. E aposte
também em podcast e textos envolventes”, aconselha Romeo Deon Busarello,
professor de Marketing Digital do Insper. O uso dessas ferramentas
traz, certamente, retorno rápido.

Você deve encarar o site como uma plataforma de aprendizado, que vai
mostrar o que funciona e o que não traz retorno. “Você não sabe como o
seu cliente vai reagir ao conteúdo, produto ou até mesmo ao preço? Então
o ideal é que tudo seja feito em forma de hipóteses, que devem ser
validadas ou não. Existem ferramentas que criam várias versões do mesmo
site para que possa ser verificado qual delas funciona melhor”, explica
Riva.

O especialista ainda ressalta a importância do uso de ferramentas de
medição e testes que podem ajudar no direcionameto de estratégias, como o
Google Analytics, Crazy Egg e Kiss Metrics.

Outro ponto a que você deve estar atento é o canal de comunicação com o
cliente. De nada adianta você ter um e-mail ou telefone de SAC, por
exemplo, se você não retornar rapidamente a solicitação. “O ideal é que a
resposta seja dada em menos de 30 minutos. Isso faz com que o cliente
perceba que a empresa se preocupa em atendê-lo prontamente”, avalia
Busarello.

Aposte nas mais variadas formas de comunicação, pois isso traz um ótimo
retorno para a imagem da sua marca. “Tenha no site vários canais, que
não se restringem apenas ao telefone e e-mail. Tenha vídeo-atendimento,
chat e sistema de ligação por robô. Lembre-se de que quanto mais rápido
você resolver o problema da pessoa, mais credibilidade ganhará”, diz
ainda. E esses canais de contato devem estar sempre em lugares visíveis,
como no topo e no rodapé da página.

Esteja presente, também, nas redes sociais. Para os especialistas, é
importante para a empresa estar presente em várias redes, como Twitter,
Facebook, Youtube, SlideShare, entre outros. Cada negócio, no entanto,
tem uma predisposição a ser alavancada pelas mídias sociais.
“As duas principais ações das redes são gerar engajamento e atender
clientes, mas é importante testar os resultados para ver em qual rede e
em qual ação é melhor investir”, conta Riva. Nesse caso, o site deve ser
apenas uma forma de acesso, com espaço para um botão ou link que leve
para as redes.

No entanto, também é preciso utilizar as ferramentas com cautela para
não passar uma imagem ruim da sua empresa. “O erro mais comum é não
entender as particularidades de cada meio, como redação, conteúdo e
formas de atualização. As empresas devem perceber o que é relevante para
o cliente, e a única forma de saber isso é tentando. Basta ver os
acessos de cada conteúdo para ver o que funciona mais”, aponta Riva.

É recomendável que o conteúdo postado no site e nas redes sociais seja
acompanhado de perto. “Não dá para ter erros de português e imagens sem
conteúdo. Aliás, cuidado com o tipo de ferramenta que você usa. O que é
feito em flash, por exemplo, não é lido pelos buscadores”, alerta
Busarello.

Fonte: Exame
Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae