CADASTRAR

Entrar

Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Enviar mensagem

Adicionar pergunta

Entrar

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Coworking: loja desenvolve o conceito de varejo colaborativo

Ali Hassan – Portal SEBRAE-SP

Coworking é uma expressão para trabalho em colaboração, compartilhar valores em busca de sinergia. A Wikipedia talvez seja o melhor exemplo desse trabalho cooperativo na internet.

Navegando pela internet, três jovens formados em Marketing encontraram, em Singapura, uma loja que comercializava produtos de diversos criadores num mesmo espaço e se encantaram com a proposta.

Os jovens levaram oito meses para formatar o plano de negócios. Contando com financiamento familiar, em março de 2008, inauguraram a Endossa, uma loja de varejo colaborativo, instalada na rua Augusta, em São Paulo, que aplicou os conceitos de redes sociais numa loja física. “Nosso modelo de colaboração online foi transposto para o offline”, conta Gustavo Ferrioli, um dos três sócios.

Caixas – Na loja, caixas (foto) que variam de tamanho e de preço estão à espera de empreendedores que queiram vender seus produtos. Basta criar uma marca e se cadastrar na lista de espera, que não é pequena. Roupas, objetos de decoração, inventos e produtos exóticos estão divididos em 150 caixas. Uma mini-loja em cada uma delas.

As mercadorias entram em consignação. A Endossa cobra o aluguel das caixas, taxa de impostos e mantém a equipe de venda. O dono da caixa pode acompanhar as vendas pela internet, em tempo real. Em contrapartida, a caixa tem que vender, atingir uma meta. Quem decide mesmo é o público consumidor. “É a loja endossando o empreendedor e o consumidor endossando o produto”, afirma Ferrioli. Quem não vende, sai da caixa e da loja.

Além da loja na Augusta, duas franquias da Endossa operam em São Paulo e Curitiba. Curiosamente, os jovens sócios exigem o compromisso de presença do dono da franquia na loja. “Não basta o gerente, queremos o empreendedor, alguém que esteja de olho em oportunidades”, afirma Gustavo.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosNovo na comunidade