CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Como montar uma fábrica de doces e geleias

Como montar uma fábrica de doces e geleias

Confira uma ideia de negócio completa sobre Como montar uma fábrica de doces e geleias. Abaixo dividimos o conteúdo em tópicos como mercado, custos, pessoas, investimentos, divulgação, exigências legais e mais dicas.

Trata-se do processo de fabricação de doces e geléias a partir das frutas tropicais in natura, pois o Brasil é reconhecido mundialmente como um país com características excelentes para a produção de alimentos, sendo um dos maiores exportadores do mundo.

Geralmente associados a uma lembrança ou imagem da infância, os doces e geléias representam um importante artefato da cultura brasileira. Estes alimentos são tão relevantes em nossas vidas que podem simbolizar os mais íntimos sentimentos de nossas paixões, carinhosamente apelidadas de “docinho”, “doce de coco”, “manjar dos deuses”, etc.

Os brasileiros herdaram o gosto e cultivo do açúcar dos portugueses que chegaram aqui há 200 anos. Nas cozinhas das casas-grandes das fazendas produtoras de açúcar, as senhoras ensinavam as escravas a misturar corretamente os ingredientes. Com o crescimento da sua comercialização no mercado interno, as receitas portuguesas foram se espalhando por toda a colônia e passaram a fazer parte do cardápio alimentar.

A tradição portuguesa de produzir doces com ovos e açúcar juntou-se à imensa variedade de frutas tropicais brasileiras, proporcionando um delicioso cardápio de iguarias tipicamente nacionais. Nas principais cidades brasileiras da época do Império, Rio de Janeiro e Salvador, as escravas aproveitavam o excesso de produção e vendiam os doces em compotas feitos com frutas típicas como goiaba e banana.

Hoje, os nossos doces e geleias são apreciados em todos os estados e representam um item obrigatório da dieta do brasileiro. Contudo, as mudanças na sociedade alteraram os hábitos de consumo do brasileiro. Com a inserção da mulher no mercado de trabalho, o doce da mamãe não é mais produzido e consumido com a mesma frequência. No vácuo desse mercado, milhares de pequenos fabricantes surgiram para suprir esta carência do setor de doces e geleias caseiras, ofertando produtos sem conservantes ou componentes químicos industrializados.

Este documento não substitui o plano de negócio. Para elaboração deste plano consulte o SEBRAE mais próximo.

Apesar do ataque ininterrupto de nutricionistas, endocrinologistas, cardiologistas, personal trainers e outros especialistas, o mercado de doces e geleias continua em franco crescimento. Docerias, confeitarias e casas de chá expandiram suas redes, bem como surgem, a cada instante, novos fabricantes de doces e geleias em compotas.

Este crescimento do consumo vem acompanhado de novos costumes. Sutileza de paladar, riqueza de sabores e degustação de novidades são as novas tendências valorizadas no lugar da simples comilança em grandes quantidades, sem o devido apreço pela qualidade dos ingredientes.

Outra novidade do setor são os doces com menos açúcar, apresentados de formas variadas em dimensões artísticas e tamanhos reduzidos. Os consumidores mais atentos já perceberam que altas doses de açúcar escondem o verdadeiro sabor do produto, principalmente se tratar de um doce ou geleia feito de alguma fruta.

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), o setor de alimentos no Brasil avançou 2,8% em receita no ano de 2018, registrando R$ 656 bilhões, incluindo exportações e vendas para o mercado interno, representando 9,6% do PIB.

Os dados da pesquisa mostram que o setor gerou mais 13 mil novos postos de trabalho no mesmo período. A soma de investimentos em ativos, fusões e aquisições avançou para R$ 21,4 bilhões, o que contribuiu para o crescimento de 13,4% frente a R$ 18,9 bilhões alcançados no ano de 2017.

FONTE: disponível em https://pt.scribd.com/document/65186978/Pesquisa-Fabrica-de-doces-e-geleias , acesso em 18 de setembro de 2019.

Concorrência

Considera-se que a concorrência no mercado de fabricação de doces e geléias bastante alta e com baixas barreiras de entrada para novos empreendedores, uma vez que o Brasil é um país rico em diferentes tipos de frutas. Tal disponibilidade somada ao espírito empreendedor do brasileiro fazem com que o mercado de doces e geléias tenha um grande potencial de crescimento.

Devido ao risco intrínseco ao negócio, recomenda-se a realização de ações de pesquisa de mercado para avaliar a demanda e a concorrência. Seguem algumas sugestões:

  • Pesquisa em fontes como prefeitura, guias, IBGE e associações de bairro para quantificação do mercado alvo;
  • Pesquisa a guias especializados e revistas sobre doces e geleias. Trata-se de um instrumento fundamental para fazer uma análise da concorrência, selecionando concorrentes por bairro, faixa de preço e especialidade;
  • Visita aos concorrentes diretos, identificando os pontos fortes e fracos dos estabelecimentos que trabalham no mesmo nicho;
  • Participação em seminários especializados. O mercado de doces e geleias é representado por consumidores dos mais diversos segmentos. Além do comércio de varejo, pode-se optar pelo fornecimento para casas de festas, padarias, lanchonetes, confeitarias e restaurantes.

Mercado Fornecedor

A relação com o mercado fornecedor também deve se basear na sustentabilidade. Podem-se priorizar fornecedores locais como organizações regionais e cooperativas locais para que a economia da região seja beneficiada com as atividades da empresa, uma prática socialmente justa. Da mesma forma, a preocupação com o meio ambiente também deve ser levada em consideração a partir da escolha por empresas, cujas políticas e diretrizes sociais e ambientais estejam alinhadas com as suas, não sendo somente informações para autovalorização da marca. A questão da sustentabilidade econômica também deve ser observada nas negociações com os fornecedores, que devem ser justas e apresentar viabilidade para ambas as partes do negócio.

Fatores que devem ser analisados para a escolha de um fornecedor:

·        Distância física;

·        Referências;

·        Custo do frete;

·        Qualidade;

·        Capacidade de fornecimento;

·        Preço;

·        Prazo;

·        Forma de pagamento e de entrega.

Assim resumidamente podemos destacar as seguintes oportunidades e ameaças:

Oportunidades

·        Aumento pela procura do mercado de produtos naturais, artesanais e orgânicos;

·        Apelo as coisas simples, saborosas e sadias;

·        Expansão do mercado de frutas cristalizadas, secas ou desidratadas;

·        Doces em pastas, as geleias e as compotas ou frutas em calda estão entre os principais produtos resultantes da industrialização das frutas;

·      Dentro do segmento “agronegócio”, a agroindústria, especialmente a produção de doces e geleias, é reconhecidamente um dos segmentos mais dinâmicos da economia brasileira.

Ameaças

·        Instabilidade econômica e política no país;

·        Campanhas publicitárias contra o uso do açúcar;

·        Carência de mão de obra capacitada disponível no mercado.

A localização é um aspecto determinante do sucesso do empreendimento. Segundo pesquisa do SEBRAE SP realizada em 2014, a localização inadequada esta entre as razões de 37% das empresas que fecharam as portas antes de completarem cinco anos de funcionamento.

Cabe observar alguns pontos de atencão, na escolha de uma localição imobiliária:

A relação entre receitas e despesas estimadas precisa ser compatível com os objetivos definidos pelo empreendedor. É preciso estar atento ao custo do aluguel, prazo do contrato, reajustes e reformas a fazer.

Certifique-se de que o imóvel atende às necessidades operacionais quanto à localização, capacidade de instalação, características da vizinhança, serviços de água, luz, esgoto, telefone, transporte etc.

Verifique se existem facilidades de acesso, estacionamento e outras comodidades que possam tornar mais conveniente e menos onerosa a adaptação do imóvel.

Cuidado com imóveis situados em locais sujeitos a inundação ou próximos às zonas de risco. Consulte a vizinhança a respeito.

Confira a planta do imóvel aprovada pela Prefeitura, e veja se não houve nenhuma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo a área, que deverá estar devidamente regularizada.

As atividades econômicas da maioria das cidades são regulamentadas pelo Plano Diretor Urbano (PDU), que determina o tipo de atividade que pode funcionar em determinado endereço. A consulta de local junto à Prefeitura deve atentar para:

• se o imóvel está regularizado, ou seja, se possui HABITE-SE;

• se as atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento do Município, pois alguns tipos de negócios não são permitidos em qualquer bairro;

• se os pagamentos do IPTU referente ao imóvel estão em dia;

• no caso de serem instaladas placas de identificação do estabelecimento, letreiros e outdoors, será necessário verificar o que determina a legislação local sobre o licenciamento das mesmas;

• exigências da legislação local e do Corpo de Bombeiros Militar.

Para instalação de uma loja de doces e geleias em shoppings, galerias e centros comerciais, devem-se considerar os custos totais de ocupação como: aluguel, condomínio, taxas de publicidade e também o tempo de dedicação do empreendedor ao negócio, uma vez que esses empreendimentos possuem horários de funcionamento diferenciado.

Para abrir uma empresa, o empreendedor poderá ter seu registro de forma individual ou em um dos enquadramentos jurídicos de sociedade. Ele deverá avaliar as opções que melhor atendem suas expectativas e o perfil do negócio pretendido. Leia mais sobre este assunto no capítulo ‘Informações Fiscais e Tributárias’.

O contador, profissional legalmente habilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa e conhecedor da legislação tributária, poderá auxiliar o empreendedor neste processo.

Para abertura e registro da empresa é necessário realizar os seguintes procedimentos:

– Registro na Junta Comercial;

– Registro na Secretaria da Receita Federal (CNPJ);

– Registro na prefeitura municipal, para obter o alvará de funcionamento;

– Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”;

– Registro no Corpo de Bombeiros Militar: órgão que verifica se a empresa atende as exigências mínimas de segurança e de proteção contra incêndio, para que seja concedido o “Habite-se” pela prefeitura.

Importante:

– Para a instalação do negócio é necessário realizar consulta prévia de endereço na Prefeitura Municipal/Administração Regional, sobre a Lei de Zoneamento.

– As leis, decretos, portarias, resoluções frequentemente sofrem revisões (atualizações), em virtude de novos acontecimentos ou pela necessidade de melhorar interpretações em relação ao seu conteúdo, função, abrangência ou penalidade. Portanto as leis citadas neste material estão atualizadas, mas a qualquer momento podem mudar. Para saber se estão utilizando a mais atual fiquem atentos as indicações de revisões, digitando as características da lei, exemplo: ‘Decreto-Lei nº. 986”, sem a data, em um site de busca e aparecerá nas 10 primeiras opções (links para acesso web), com as sugestões mais recentes.

– É necessário observar as regras de proteção ao consumidor, estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC).

– A Lei 123/2006 (Estatuto da Micro e Pequena Empresa) e suas alterações estabelecem o tratamento diferenciado e simplificado para micro e pequenas empresas. Isso confere vantagens aos empreendedores, inclusive quanto à redução ou isenção das taxas de registros, licenças etc.

As principais exigências legais aplicáveis a este segmento são:

  • Lei nº. 6.437, de 20 de agosto de 1977 e alterações posteriores: configura infrações à legislação sanitária federal e estabelece as sanções respectivas e anecessidade da responsabilidade técnica;
  • Lei nº.12.389, de 11 de outubro de 2005: dispõe sobre a doação e reutilização de gêneros alimentícios e de sobras de alimentos e dá outras providências;
  • Resolução RDC nº. 91, de 11 de maio de 2001: aprova o Regulamento Técnico Critérios Gerais e Classificação de Materiais para Embalagens e Equipamentos em Contato com Alimentos, constante do Anexo desta Resolução;
  • Resolução RDC nº. 175, de 08 de julho de 2003: dispõe sobre o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais àSaúde Humana em Alimentos Embalados;
  • Resolução RDC nº 65, de 04 de outubro de 2007 Dispõe sobre o uso de aditivos alimentares para geleias e dá outras providências. D.O.U. – Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 08 de outubro de 2007 ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária;
  • Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001 Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. D.O.U. – Diário Oficial da União;
  • Poder Executivo, de 10 de janeiro de 2001 ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária;
  • Resolução RDC nº. 218, de 29 de julho de 2005: dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais;
  • Resolução RDC nº. 259, de 20 de setembro de 2002: dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados;
  • Resolução RDC nº. 272, de 22 de setembro de 2005: dispõe sobre o Regulamento Técnico para Produtos de Vegetais, Produtos de Frutas e Cogumelos Comestíveis;
  • Resolução RDC nº. 275, de 21 de outubro de 2002: dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aosEstabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos;
  • Resolução RDC nº. 359, de 23 de dezembro de 2003: dispõe sobre o Regulamento Técnico de Porções de Alimentos Embalados para Fins de Rotulagem Nutricional;
  • Resolução RDC nº. 360, de 23 de dezembro de 2003: dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional;
  • Portaria nº. 326/97: Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos;
  • Portaria nº. 1.428/93: Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos.

Sebrae local poderá ser consultado para orientação.

Diversos são os fatores que influenciam na estrutura de uma fábrica de doces e geleias, a questão, porém é o empresário ter em mente quais serão as características do serviço prestado, o foco de atuação e o porte. Toda a necessidade será efetuada com base nessa capacidade inicial esperada, na quantidade de atendimentos a serem realizados.

Para fábrica de doces e geleias, sugere-se uma área de 80 m², composta por cozinha, área de armazenagem, escritório e banheiro. A disposição dosequipamentos deve estar de acordo com o processo produtivo, reduzindo o trânsito desnecessário dos funcionários.

O acabamento interno precisa ser de fácil limpeza e manutenção, durável e resistente ao uso intenso. As paredes devem ser pintadas com tinta acrílicalavável. O forro é preferencialmente branco, pois identifica a sujeira com maior facilidade. Pode ser gesso pintado com acrílico acetinado, lambri pintado com esmalte branco ou forro de PVC. O forro de PVC se torna bastante lavável, ideal para cozinha.

O projeto hidráulico sanitário é necessário para satisfazer as exigências normativas dos órgãos fiscalizadores e deve contemplar a atenção com o meio ambiente, bem como a questão de higiene e limpeza da unidade processadora. De modo geral, as instalações elétricas devem obedecer às especificações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Já a iluminação, esta deve ser bem planejada, procurando sempre combinar a luz natural e a artificia,l especialmente por suas peculiaridades higiênico-sanitárias.

O lixo, além de atrair insetos e outros animais para a área de preparo dos alimentos, é o meio ideal para a multiplicação de micróbios patogênicos. Por isso,a cozinha deve ter lixeiras de fácil limpeza, com tampa e pedal, e o lixo deve ser retirado para fora da área de preparo de alimentos em sacos bem fechados. Após o seu manuseio, deve-se lavar as mãos.

Pense em ambientes onde possam ser aproveitadas, quando couber, luz e ventilação natural, evitando custos desnecessários.

A necessidade de pessoal, tal qual o tamanho da infraestrutura, depende diretamente do segmento pelo qual o empreendedor optou. Geralmente é baseado no volume de produtos ou de serviços oferecidos.

A qualificação dos profissionais é o fator chave para o sucesso do empreendimento, onde os(a) doceiros(a), através de suas receitas, ditam o sucesso ou fracasso do mesmo.

O número de funcionários varia de acordo com a estrutura do empreendimento. Para a estrutura anteriormente sugerida, a fábrica de doces e geleias pode contar com uma equipe de 5 a 15 funcionários.

Serão necessários para a operação um gerente de unidade, um responsável por efetuar as compras dos insumos, duas pessoas para os serviços administrativos, de uma a duas pessoas para o recebimento e estocagem dos insumos, uma pessoa para a seleção e triagem de frutas e matérias-primas, três cozinheiras e dois ajudantes de cozinha, uma nutricionista, um responsável pela gestão da qualidade do produto, duas pessoas embalagem e estocagem.

Todos os cargos acima mencionados são apenas indicativos para uma fábrica do tamanho aqui proposto. Contudo, poderão ser mais ou menos pessoas envolvidas, a depender da produção esperada. A nutricionista é pessoa chave e fundamental para que uma fábrica de doces e geleias possa funcionar.

O horário de funcionamento e o comportamento de vendas podem exigir a contratação de mais funcionários. Esta expansão do negócio precisa ser planejada conforme o aumento do faturamento.

O atendimento é um item que merece a maior preocupação do empresário, já que nesse segmento de negócio há uma tendência ao relacionamento de longo prazo com os canais de distribuição.

A contratação de um profissional da área de alimentos pode ajudar a criar um padrão de sabor e qualidade dos doces, de forma que um lote não seja diferente de outro.A qualificação de profissionais aumenta o comprometimento com a empresa, eleva o nível de retenção de funcionários, melhora a performance do negócio e diminui os custos trabalhistas com a rotatividade de pessoal. O treinamento dos colaboradores deve desenvolver as seguintes competências:

  • Agilidade e presteza no atendimento;
  • Capacidade de percepção para entender e atender as expectativas dos clientes;
  • Capacidade de apresentar e vender os produtos da fábrica, expandindo o consumo médio por canal;
  • Motivação para crescer juntamente com o negócio.

Deve-se estar atento para a Convenção Coletiva do Sindicato dos Trabalhadores nessa área, utilizando-a como balizadora dos salários e orientadora das relações trabalhistas, evitando, assim, consequências desagradáveis.

O empreendedor pode participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio, para manter-se atualizado e sintonizado com as tendências do setor.O Sebrae da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o perfil do pessoal e treinamentos adequados.

A qualificação de profissionais aumenta o comprometimento com a empresa, eleva o nível de retenção de funcionários, melhora a performance do negócio e diminui os custos trabalhistas com a rotatividade de pessoal.

A definição do porte da empresa é fundamental para a aquisição dos equipamentos.

No mercado especializado, podem-se encontrar os mais diversos tipos e tamanhos de máquinas e equipamentos para a indústria de geleias e doces, como mesas de seleção e preparo de frutas; lavadores; despolpadoras; prensas; refinadoras; tachos; fogões industriais; geradores de vapor; raladores; peladores; seladoras; tanques e baldes inox; e muitos outros equipamentos e utensílios usados nas indústrias de doces.

Ao fazer o layout da empresa, o empreendedor deve levar em consideração a ambientação, decoração, ventilação e iluminação. Na área externa, deve-se atentarpara a fachada, letreiros, carga e descarga, entradas, saídas e estacionamento.

No caso de uma empresa pequena, deve-se levar em consideração a necessidade de todos os equipamentos acima especificados e o tipo, pois existem dos mais sofisticados aos mais simples. Antes de comprar os equipamentos, pense no tipo de serviço e qualidade exigida pelo público alvo para não gastar mais do que o necessário ou ficar com ociosidade em excesso. Existe a necessidade de outros equipamentos não destinados à atividade produtiva, mas que devem estar presente em qualquer das estruturas, pequenas oumedias, que são os computadores, impressoras, telefones, ventiladores, ar condicionado, móveis e utensílios de escritório, dentre outros. Verifique a necessidade de acordo com a evolução dos negócios.

A gestão de estoques apresenta particularidades de acordo com o tipo do negócio – comércio ou prestação de serviço. De qualquer forma, deve-se buscar a eficiência nesta gestão, sendo que o estoque de mercadorias deve ser suficiente para o adequado funcionamento da empresa, mas mínimo, para reduzir o impacto no capital de giro.

Fique atento, pois a falta de mercadorias pode representar a perda de uma venda. Por outro lado, possuir mercadorias estocadas por muito tempo é deixar dinheiro parado. É essencial o bom desempenho na gestão de estoques, com foco no equilíbrio entre oferta e demanda.

Esse equilíbrio deve ser sistematicamente conferido, com base, entre outros, nestes três indicadores de desempenho:

1 – Giro dos estoques: número de vezes que o capital investido em estoques é recuperado por meio das vendas. É medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado. Quanto maior for a frequência de entregas dos fornecedores, em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques.

2 – Cobertura dos estoques: indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento.

3 – Nível de serviço ao cliente: demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, no varejo de pronta entrega (segmento em que o cliente quer receber a mercadoria ou o serviço imediatamente após a escolha), pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.

FONTE: ABIA – Associação Brasileira da Indústria de Alimentos – 2018

O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

As geleias são conservas de frutas e vegetais feitas com o purê da polpa, cozidas em açúcar e líquidos (água, suco de frutas ou vinho) e coadas até adquirirem uma consistência pastosa, branda e compacta. Ela deve ser clara, brilhante e transparente e, quando retirada da embalagem, deve tremer sem escorrer, conservando o formato da vasilha em que foi guardada. O produto deve ser preparado com frutas sãs, limpas, isentas de matéria terrosa, de parasitas, de detritos, de animais ou vegetais e de fermentação. Ao final do processo, a geleia artesanal deve conservar com fidelidade a cor, o sabor e as propriedades nutritivas da fruta de origem, sem ser colorida ou aromatizada artificialmente. São consideradas fontes ricas de vitaminas e sais minerais. É tolerada a adição de acidulantes e de pectina para compensar alguma deficiência no conteúdo natural de pectina ou de acidez da fruta.

Já os doces são feitos com frutas inteiras ou em pedaços. Podem ser consumidos puros, com pães, biscoitos e torradas, batidos com iogurtes e sorvetes ou utilizados para rechear bolos e doces.

Os principais ingredientes para o processamento da geleia são a fruta, a pectina, o ácido e o açúcar. A fruta utilizada não deve ser insípida. De preferência, deve apresentar um sabor marcante, com cheiro agradável, alta qualidade e gosto levemente ácido. Depois de todo o processo produtivo, o doce precisa reter satisfatoriamente as suas qualidades.

 

Deve-se ficar atento à sazonalidade das frutas. Períodos de entressafra e escassez de produtos podem dificultar a aquisição da matéria-prima, além de encarecer os custos e comprometer a lucratividade do negócio. Portanto, recomenda-se o cadastro de um grande número de atacadistas, distribuidores,supermercados e feirantes. Muitos distribuidores oferecem o serviço de delivery, o que traz mais conforto e agilidade ao processo produtivo.

Outro item que merece atenção é a perecibilidade das frutas. A compra das frutas deve ser realizada conforme a sua utilização no processo produtivo. Alguns doces exigem que as frutas estejam mais maduras, outros exigem frutas mais verdes.

Além do gomo, o processo produtivo da geleia também exige um outro componente da fruta, conhecido por pectina. Esta substância se forma pela decomposição daprotopectina (hidrato de carbono presente nas frutas) pela ação de enzimas. A pectina, quando combinada com uma porção adequada de açúcar na presença deácidos e sais minerais, é responsável pela formação da geleia. Pode ser encontrada na polpa da fruta, perto da casca, ao redor das sementes e nos caroços, principalmente em frutas mais verdes do que maduras.

O ácido é outro ingrediente fundamental para dar forma e sabor à geleia. O teor ácido das diferentes frutas é variável, decrescendo à medida que a fruta amadurece. A quantidade e o tipo de sais minerais presentes nas frutas afetam a acidez e, consequentemente, a facilidade de a pectina precipitar-se paraformar a geleia.

Os vidros para a armazenagem da geleia devem ser esterilizados e ter tampa de metal para ajudar a proteger o produto contra bactérias, poeira e umidade. Develevar uma camada de parafina antes da tampa. As embalagens devem ser padronizadas para criar uma identidade visual ao produto e à empresa. As cores, ostamanhos dos potes, os rótulos e as tampas podem ser definidos com o auxílio de um profissional de marketing.

Outros insumos são necessários como materiais para embalagens, luvas e máscaras descartáveis, água, materiais de limpeza, energia, gás, sacos laminados, outros ingredientes e materiais diversos para o processo produtivo. Portanto, é bom estar atento para todos os tipos de novidades, materiais e produtos usados diretamentee indiretamente nesse empreendimento.

A geleia é o produto obtido pela concentração da polpa ou suco de fruta com quantidades adequadas de açúcar, pectina e ácido até atinja a consistência suficiente para que ocorra a geleificação durante o resfriamento. O seu processamento segue uma metodologia relativamente simples, exige poucos equipamentos e traz, ainda, avantagem de possibilitar à indústria o aproveitamento de frutas impróprias para a venda in natura.

Para fazer geleia, deve-se utilizar uma panela grande (de preferência com tacho de metal) de boca larga (para facilitar a evaporação) e com capacidade quatrovezes superior à quantidade do suco a ser fervido. O processo produtivo industrial de confecção passa pelas seguintes etapas:

1. RECEPÇÃO E ESTOCAGEM: quando as frutas chegam aos fabricantes de geleias, passam por uma pré-seleção para descartar as que estão fora do padrão de maturação ou impróprias para o consumo.

Infográfico mostrando a diferença de processamento do abacaxi. FONTE: https://energienutricao.com.br/blog/frutas-secas-cristalizadas-e-glaceadas Ano: 2016

2. LAVAGEM: essa operação é feita em duas etapas: a primeira consiste em uma pré-lavagem para retirar ou amolecer a sujeira mais grosseira. Na segunda etapa, realiza-se a lavagem com água clorada, através do esguicho de jato d’água sob pressão, diretamente na fruta.

3. SELEÇÃO: este é um dos fator mais importantes que determinam a qualidade no produto final. Os principais critérios de seleção são: tamanho, cor, maturação, ausência de manchas ou defeitos causados por fungos e insetos, simetria, textura e sabor.

4. DESCASCAMENTO: após a limpeza e seleção, o descascamento pode ser realizado por um dos seguintes métodos: manual, mecânico (abrasão), físico (água quente ou vapor) ou químico (imersão em solução de soda cáustica).

5. DESINTEGRAÇÃO: os desintegradores funcionam à temperatura ambiente ou quente, com temperatura até 90ºC. No aquecimento, as reações enzimáticas de hidrólise de pectina e escurecimento são intensificadas durante a desintegração e exposição dos tecidos no ar.

6. DESPOLPAMENTO E ACABAMENTO: feito em despolpadoras, este processo busca separar a polpa do material fibroso, caroços, sementes e algumas vezes da casca.

7. DETERMINAÇÃO DO PONTO FINAL: pode ser verificado pelo índice de refração, pela determinação da temperatura de ebulição ou pelo teste da colher. Destes métodos, o mais exato é o refratômetro, geralmente utilizado nas indústrias maiores. O teste da colher, quando executado por um operador experiente juntamente com a medição da temperatura de ebulição, pode ser um método bastante preciso para a verificação do ponto final.

8. EMBALAGEM: quando atinge o seu ponto final, a geleia é embalada em recipientes apropriados para a sua comercialização. No caso de latas, utiliza-se uma recravadeira comum que assegura o fechamento hermético da lata, protegendo adequadamente o alimento durante o processo de esterilização, resfriamento eestocagem.

Há no mercado uma boa oferta de sistemas para gerenciamento de empresas dos mais variados portes e tipos. Esses softwares possibilitam o controle do agendamento de clientes, cadastro e histórico de serviços prestados a cada um, serviços de mala direta para clientes e potenciais clientes, controle de estoque de produtos, cadastro de equipamentos, gerenciamento de serviços dos empregados, controle de comissionamento, controle de contas a pagar e a receber,fornecedores, folha de pagamento, fluxo de caixa, fechamento de caixa, etc.

Também é imprescindível a presença de computador, móveis e utensílios diversos. Internet também é uma excelente ferramenta que pode gerar vários benefícios como permanente atualização no setor, possibilidade de agendamento de clientes quando for o caso, facilidade de busca de alternativas de fornecedor e mesmo de efetivação de encomendas e – até mesmo, eventualmente – se constituir em entretenimento para clientes em espera.

Outro quesito que pode ser importante são equipamentos de envase, para a industrialização do processo produtivo. Contudo, para empresas de maior porte.

Portanto, a automação a ser exigida irá depender diretamente do tamanho do empreendimento a ser montado, e o uso de sistemas de automação mais complexos esofisticados só se justifica para empresas de maior porte.

Investir em softwares para automatizar empresas não é mais tendência, é uma necessidade. Nem sempre, porém, a ajuda digital é bem-vinda pelos empresários.

“Alguns empresários ainda acreditam que tecnologia só dá trabalho e não adianta nada. Mas isso muda quando eles percebem os ganhos em produtividade”

Antes de se decidir pelo sistema a ser utilizado, o empreendedor deve avaliar o preço cobrado, o serviço de manutenção, a conformidade em relação à legislação fiscal municipal e estadual, a facilidade de suporte e as atualizações oferecidas pelo fornecedor, verificando ainda se o aplicativo possui funcionalidades, tais como:

• Controle de mercadorias;

• Controle de taxa de serviço;

• Controle dos dados sobre faturamento/vendas, gestão de caixa e bancos (conta corrente);

• Emissão de pedidos;

• Lista de espera;

• Organização de compras e contas a pagar;

• Relatórios e gráficos gerenciais para análise real do faturamento.

Canais de distribuição são os meios pelos quais você entrega o seu produto até o cliente final. Em outras palavras, é como você faz com que seus produtos fiquem disponíveis para o consumidor final.

Os canais de distribuição estão diretamente envolvidos com a prestação de informações sobre o produto, customização, garantia de qualidade, oferta de produtos complementares, assistência técnica, pós-venda e logística. Em resumo, é tudo que possa garantir a disponibilidade do produto para o consumidor.

A empresa pode optar por distribuição via canal direto ou indireto. O canal de distribuição direto é quando a própria empresa é responsável pela entrega de seus produtos, sem que haja nenhum intermediário envolvido nesse processo.

Já no canal indireto a empresa repassa seus produtos a um intermediário responsável por entregar os produtos da indústria para o consumidor. O intermediário pode ser um varejista, atacadista, distribuidor, broker ou qualquer outro envolvido no processo de distribuição de produtos.

Um produtor de doces e geleias não pode contar apenas com o seu ponto próprio de venda para garantir a viabilidade do negócio. A parceria com canais de distribuição é fundamental para o seu sucesso. E é justamente neste aspecto que o empreendedor encontra as maiores dificuldades para a comercialização do produto.

Através de fusões e aquisições, as grandes redes varejistas atingiram um elevado nível de concentração de mercado e força de barganha. Os preços de venda para esses comércios são reduzidos, com margens muito estreitas de negociação. A entrada nestes canais só é viável para grandes fabricantes que trabalham comeconomia de escala.

Para o pequeno empreendedor, restam outros canais: pequenas lojas, mercearias e bancas em feiras. Canais alternativos também podem ser utilizados, comoencomendas pela internet, telefone e venda direta.

Por fim, outro canal interessante é o contrato com supermercados e hipermercados para a produção de doces e geleias com a marca do próprio varejista. Esta opção diminui os custos de marketing, pois não exige maciços investimentos em propaganda para a divulgação da marca do fabricante, e garante o acesso a milhões de consumidores.

O valor a ser investido num novo negócio envolve um conjunto de fatores, identificados ao longo do processo de instalação do empreendimento. O investimento para o início das atividades varia de acordo com o porte do empreendimento e os produtos e serviços que serão oferecidos.

Uma fábrica de doces e geleias, estabelecida em uma área de 80 m², exige um investimento inicial estimado de R$ 74 mil reais, a ser alocado nos seguintes itens:

1 – INVESTIMENTOS FIXOS

1.1 – Máquinas e equipamentos

ItemValor unitário
Balcão, freezerR$ 6.000,00
Equipamentos de cozinhaR$ 20.000,00

1.2 – Equipamentos de informática

ItemValor unitário
Telefone, Computador e ImpressoraR$ 8.000,00

1.3 – Móveis e utensílios

ItemValor unitário
Bancadas de mármoreR$ 10.000,00
Mobiliário do EscritórioR$ 2.500,00

2 – INVESTIMENTOS PRÉ-OPERACIONAIS

ItemValor unitário
ReformasR$ 15.000,00
Registro da empresaR$   2.000,00

3 – INVESTIMENTOS FINANCEIROS

ItemValor unitário
Capital de giroR$ 5.500,00
Formação Estoque InicialR$ 5.000,00
INVESTIMENTO TOTAL (1+2+3)R$ 74.000,00

PREVISÃO DE FATURAMENTO

Faturamento mensalR$ 60.000,00

* os itens descritos nas tabelas são exemplos que devem ser considerados, porém existem outros que devem ser também detalhados, para o seu negócio.

**Acesse http://simulador.ms.sebrae.com.br e veja exemplos de pesquisas estimando valores e faça a sua simulação.

***Os custos dos ítens descritos na tabela são meras estimativas, pois estes dependem de tamanho do negócio, fornecedores, regiões do país, etc.

Antes de montar sua empresa, é fundamental que o empreendedor elabore um Plano de Negócios, onde os valores necessários à estruturação da empresa podem ser mais detalhados, em função: regionalidade, dificuldades financeiras, objetivos estabelecidos de retorno e alcance de mercado. O capital de giro necessário para os primeiros meses de funcionamento do negócio também deve ser considerado neste planejamento.

Nessa etapa, é indicado que o empreendedor procure o Sebrae para consultoria adequada ao seu negócio, levando em conta suas particularidades. O empreendedor também poderá basear-se nas orientações propostas por metodologias de modelagem de negócios, em que é possível analisar o mercado no qual estará inserido, mapeando o segmento de clientes, os atores com quem se relacionará, as atividades chave, as parcerias necessárias, sua estrutura de custos e fontes de receita.

 

Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa.

ITEMQUANTIDADEVALOR UNITÁRIO
Reserva de Caixa1R$ 10.500,00

* Esta é meramente uma estimativa de valor, o seu capital de giro deve variar entre 20 e 30% do valor do investimento para operação. No exemplo temos um investimento estimado (tópico anterior) de R$74.000,00. Assim uma reserva (capital de giro e estoque inicial) de R$ 10.500,00

Quanto maior o prazo concedido aos clientes para pagamento e quanto maior o prazo de estocagem, maior será a necessidade de capital de giro do negócio. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode amenizar a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Prazos médios recebidos de fornecedores também devem ser considerados nesse cálculo: quanto maiores os prazos, menor será a necessidade de capital de giro.

O empreendedor deverá ter um controle orçamentário rígido, de forma a não consumir recursos sem previsão, inclusive valores além do pró-labore. No início, todo o recurso que entrar na empresa nela deverá permanecer, possibilitando o crescimento e a expansão do negócio. O ideal é preservar recursos próprios para capital de giro e deixar financiamentos (se houver) para máquinas e equipamentos.

Sempre será muito útil que se tenha certo montante de recursos financeiros reservado para que o negócio possa fluir sem sobressaltos, especialmente no início do projeto. No entanto, ter esse recurso disponível não é suficiente porquanto ser premissa sua boa gestão, ou seja, somente deverá ser utilizado para honrar compromissos imediatos ou lidar com problemas de última hora.

 

Os custos dentro de um negócio são empregados tanto na elaboração dos serviços ou produtos quanto na manutenção do pleno funcionamento da empresa. Entre essas despesas, estão o que chamamos de custos fixos e custos variáveis.

Custos variáveis                                        

São aqueles que variam diretamente com a quantidade produzida ou vendida, na mesma proporção.

Custos de materiais

ITEMQUANTIDADEVALOR UNITÁRIO
Matéria-Prima, Insumos309.000,00

Custos dos impostos

ITEM%VALOR UNITÁRIO
Simples9 % do faturamento bruto (R$ 60.000,00)5.400,00

Custos com vendas

ITEM%VALOR UNITÁRIO
Propaganda1 % do faturamento bruto (R$ 60.000,00)600,00
Comissões  

Custos fixos

São os gastos que permanecem constantes, independente de aumentos ou diminuições na quantidade produzida e vendida. Os custos fixos fazem parte da estrutura do negócio.

Salários e encargos

FUNÇÃOQUANTIDADESALÁRIO UNITÁRIO
Salários, comissões e encargos5R$ 15.000,00

Depreciação

ATIVOS FIXOSVALOR TOTALVIDA ÚTILDEPRECIAÇÃO
Maquinas e equipamentosR$ 26.000,0010R$    217,00
Equipamentos informáticaR$   8.000,005R$    133,00
Móveis e utensíliosR$ 12.500,005R$    208,00

Despesas fixas e administrativas

ItemValor unitário
Aluguel, condomínio e segurançaR$ 2.500,00
Agua, luz, telefone e internetR$    800,00
Material de limpeza, higiene e escritórioR$    500,00
Assessoria contábilR$    700,00
Despesa com armazenagem e transporteR$    500,00
 

A diversificação de um produto ou serviço deve sempre ser buscada pelo empresário, seja para em momentos de recessão poder escoar e vender seus produtos, seja para aproveitar momentos e processos ociosos, ampliando assim sua receita, sempre complementado o serviço principal ofertado.

Não basta o empresário apenas possuir algo que os produtos concorrentes não oferecem. É necessário que esse algo mais seja reconhecido pelo cliente como umavantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ofertado.

Um outro item importante para agregação de valor é desenvolver produtos da linha diet e light, destinados aos clientes que querem se deliciar com asguloseimas, mas se preocupam com o ganho de alguns quilinhos a mais, ou aqueles que por motivo de doenças não podem consumir açúcar. A linha de produtosdeverá ser planejada de acordo com as características da clientela e os seus hábitos de consumo.

A inovação é fator fundamental no sucesso do empreendimento, manter sempre receitas exclusivas, e agregar novidades como: doces personalizados com fotos produzidas pelo próprio cliente.

Outro item importante é manter uma área para degustação, apresentando novidades e variedades para atrair os compradores.

O atendimento pessoal qualificado é um fator que agrega valor de alto significado para o cliente. É fundamental, na construção de relacionamento duradouro,conhecer quem são os clientes e entender suas reais expectativas e necessidades.

É importante pesquisar junto aos concorrentes para conhecer os serviços que estão sendo adicionados e desenvolver opções específicas com o objetivo deproporcionar ao cliente um produto diferenciado.

Além disso, conversar com os clientes atuais para identificar suas expectativas é muito importante para o desenvolvimento de novos serviços ou produtos personalizados, o que amplia as possibilidades de fidelizar os atuais clientes, além de cativar novos.

Foram apresentadas apenas algumas opções de diversificação, sendo sempre possível propor melhorias e novidades, para isso é indicado observar hábitos, ouviras pessoas e criar novos produtos e novos serviços, com o objetivo de ampliar os níveis de satisfação dos clientes.

 

A propaganda é um importante instrumento para tornar a empresa e seus serviços conhecidos pelos clientes potenciais. A divulgação de uma fábrica de doces e geleias pode ser realizada através de vários canais de comunicação, porém esse investimento deve ser planejado e adequado á realidade de cada região e local do ponto comercial, caso exista uma loja de varejo.

Abaixo, sugerem-se algumas ações mercadológicas eficientes:

– Divulgar em redes sociais, tais como; Facebook, Linkedin, Instagram, Google+, Twitter.

– Divulgar através de e-mail marketing para canais de distribuição (lojas de varejo);

– Oferecer descontos para produtos combinados (café e utilização dos equipamentos e internet);

– Montar uma web site com a oferta de produtos para alavancar as vendas;

– Realização de degustações periódicas dos doces e geleias em feiras e eventos;

– Divulgar em empresas.

O investimento na propaganda deve se enquadrar no orçamento do empresário que deve selecionar as mídias que têm boa penetração e credibilidade junto ao público alvo de uma fábrica de doces e geleias.

 

Optantes do SIMPLES Nacional

Este segmento de empresa poderá optar pelo Simples Nacional – Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições, instituído pela Lei Complementar nº 123/2006. Os pequenos negócios podem optar pelo Simples, desde que sua categoria esteja contemplada no regime, a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse R$ 360 mil para microempresa e R$ 4,8 milhões para empresa de pequeno porte e sejam respeitados os demais requisitos previstos na Lei.

Nesse regime, o empreendedor de ME e EPP poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional):

• IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica);

• CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido);

• PIS (Programa de Integração Social);

• COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);

• CPP (Contribuição Previdenciária Patronal);

• ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços): para empresas do comércio

• ISS (Imposto Sobre Serviços): para empresas que empresas que prestam serviços;

• IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados): para indústrias.

Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do Simples Nacional variam de acordo com as tabelas I a VI, dependendo das atividades exercidas e da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo Simples Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período. Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. a esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.

Se a receita bruta anual não ultrapassar R$ 81 mil, o empreendedor poderá optar pelo registro como Microempreendedor Individual (MEI), desde que ele não seja dono ou sócio de outra empresa e tenha até um funcionário. Para se enquadrar no MEI, sua atividade deve constar na tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 – Anexo XIII (http://www.portaldoempreendedor.gov.br/legislacao/resolucoes/arquivos/ANEXO_XIII.pdf)

Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo:

I) Sem empregado

• 5% do salário mínimo vigente – a título de contribuição previdenciária

• R$ 1 de ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias (para empresas de comércio e indústria)

• R$ 5 de ISS – Imposto sobre Serviços (para empresas de prestadoras de serviços)

II) Com um empregado (o MEI poderá ter um empregado, desde que ele receba o salário mínimo ou piso da categoria)

O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais:

• Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração;

• Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado.

Empresas que não podem optar pelo Simples

De acordo com o Comitê Gestor do Simples Nacional – Resolução CGSN nº 119, de 19 de dezembro de 2014 – estas atividades não podem ser optantes pelo Simples: (http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/Legislacao/Resolucao/2011/ResolucaoCGSN/Anexo_VI_Resolucao_CGSN_94.doc)

 

Festa da maçã – http://www.festamaca.com.br

Festa do pêssego – HTTP://www.portoalegre.rs.gov.br

Festa da uva –  htpp://www.festanacionaldauva.com.br

FISPAL Tecnologia – Feira Internacional de embalagens e processos para as indústrias de alimentos e bebidas – http://www.fispal.com

HORTITEC – Feira de flores , frutas e legumes – http://www.brazilianfruit.org.br

Feira Internacional de produtos, embalagens, equipamentos, acessórios e serviços para alimentação – FISPAL Nordeste – www.fispal.com 

 

A seguir, são indicadas as principais entidades de auxílio ao empreendedor:

Abia Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação –http://www.abia.org.br  

Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos  http://www.abimaq.org.br

Abrasel – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – http://www.abrasel.com.br

Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – http://www.anvisa.gov.br

ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimentos – http://www.ital.sp.gov.br

Ministério da Saúde – http://www.saude.gov.br

Receita Federal – Brasília – DF –  http://www.receita.fazenda.gov.br

SBAN – Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição –http://www.sban.com.br

SNDC – Sistema Nacional de Defesa do Consumidor –http://www.mj.gov.br/dpdc/sndc.htm

 

Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).

Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física).

Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.

1. Normas específicas para uma Fábrica de doces e geleias

ABNT NBR 15635:2008 – Serviços de alimentação – Requisitos de boas práticas higiênico-sanitárias e controles operacionais essenciais.

Esta Norma especifica os requisitos de boas práticas e dos controles operacionais essenciais a serem seguidos por estabelecimentos que desejam comprovar e documentar que produzem alimentos em condições higiênico sanitárias adequadas para o consumo.

ABNT NBR ISO 22000:2006 Versão Corrigida:2006 – Sistemas de gestão da segurança de alimentos – Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos

Esta Norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança de alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva de alimentos precisa demonstrar sua habilidade em controlar os perigos, a fim de garantir que o alimento está seguro no momento do consumo humano.

2. Normas aplicáveis na execução de uma Fábrica de doces e geleias

ABNT NBR 14910:2002 Versão Corrigida:2003 – Embalagens de vidro para produtos alimentícios – Requisitos e métodos de ensaioEsta Norma especifica as características dimensionais, físicas e de resistência mecânica, os procedimentos de inspeção e critérios de aceitação e rejeição, e as metodologias de ensaio que devem ser observados na produção, movimentação e utilização de embalagens de vidro destinadas ao acondicionamento de produtos alimentícios.ABNT NBR 15842:2010 – Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais.

Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente.

ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio.

Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio.

ABNT NBR 5626:1998 – Instalação predial de água fria.

Esta Norma estabelece exigências e recomendações relativas ao projeto, execução e manutenção da instalação predial de água fria. As exigências e recomendações aqui estabelecidas emanam fundamentalmente do respeito aos princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água no caso de instalação de água potável.

ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 – Instalações elétricas de baixa tensão.

Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013 – Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior.

Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho.

ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 – Sistemas de alarme – Parte 1: Requisitos gerais – Seção 1: Geral.

Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente.

 

Acidificar ou acidular – Juntar um ácido – vinagre, limão ou vinho. Adiciona-se geralmente à água onde estão de molho alimentos, para não os deixar escurecer ou para libertá-los do sangue.

Alimento: Toda substância que se ingere no estado natural, semielaborada ou elaborada, destinada ao consumo humano, incluídas as bebidas e qualquer outra substância utilizada na sua elaboração, no preparo ou tratamento, excluídos os cosméticos, o tabaco e as substâncias utilizadas unicamente como medicamentos.

Alimento embalado: Alimento que está contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor.

Aditivo alimentar: Qualquer ingrediente adicionado intencionalmente aos alimentos, sem propósito de nutrir, com o objetivo de modificar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais, durante as etapas de fabricação, processamento, preparação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem, transporte ou manipulação de um alimento. Esta definição não inclui os contaminantes ou substâncias nutritivas que sejam incorporadas ao alimento para manter ou melhorar suas propriedades nutricionais.

Aromatizar – Adicionar erva, cascas com cheiro, vinho, licores, etc., a um alimento.

Cachão – Forte ebulição.

Calda – Líquido a que se juntaram outros ingredientes. Em pastelaria uma calda é um xarope de açúcar aromatizado ou não com canela, limão ou vinho.

Caramelo – Açúcar que, derretido com um pouco de água e cozido até a evaporação completa do líquido, adquire uma cor mais ou menos carregada, conforme o grau de evaporação.

Contaminação: Presença no alimento de organismos patogênicos, (bactérias, e modificando a aparência natural dos alimentos, além da presença de substâncias tóxicas ou radioativas em concentrações nocivas à saúde dos consumidores.

Contaminação cruzada: Aquela que resulta do transporte de microrganismos de um alimento para outro não contaminado. Ela pode ocorrer por meio dos equipamentos e utensílios utilizados durante a manipulação dos alimentos, mas também por meio dos manipuladores (mãos e vestuário de proteção).

Desidratação: Processo industrial de conservação de alimentos que permite a obtenção de produtos de baixo valor de umidade.

Enzimas: Substâncias orgânicas, geralmente proteínas, que catalisam reações biológicas pouco espontâneas e muito lentas.

Escalfar – Cozer um alimento num líquido a uma temperatura próxima da fervura.

Escumar – Retirar a espuma à superfície de um líquido a ferver ou que acaba de ferver.

Essência – Substância aromática obtida por destilação de um alimento e que se utiliza moderadamente.

Fruta cristalizada – Fruto cujo suco foi substituído por açúcar, em cozeduras sucessivas, numa calda de açúcar, até à evaporação completa do líquido, sem, contudo chegar ao caramelo. Tem por fim conservar a fruta.

Ingrediente: Substâncias, incluindo aditivos alimentares, que são empregadas na fabricação ou no preparo de alimentos e que está presente no produto final em sua forma original ou modificada.

Mascavado – Açúcar que não foi refinado.

Melaço – Substância espessa formada pelo resíduo não cristalizável da refinação do açúcar.

Matéria-prima: Substância que para ser utilizada como alimento necessita sofrer tratamento e transformação de natureza física, química ou biológica.

Microrganismos: São formas de vida muito pequenas que apenas podem ser vistas através do microscópio. Incluem grupos como as bactérias, os vírus, os bolores e as leveduras. Certos microrganismos podem causar a deterioração dos alimentos, alguns destes podem também causar doenças alimentares (patogênicos).

Pasteurizar – Modo de esterilizar líquidos, em especial o leite, aquecendo-os a uma temperatura elevada e arrefecendo-os depois rapidamente.

Pectina – Substância extraída de certas frutas e legumes e que tem a propriedade de solidificar as geleias e os doces de fruta.

Polvilhar uma forma – Depois de untar uma forma com manteiga deita-se farinha e sacode-se para que fique apenas com a farinha que se agarrou à manteiga.

Xarope – Solução de açúcar em água mais ou menos concentrada, que pode ser feita a frio ou a quente a ser ou não aromatizada.

 

Qualquer atividade da vida social ou pessoal, quanto melhor planejada melhor será executada. Assim, também em qualquer negócio, o tempo que se gasta antes de começar é dinheiro que se deixa de perder: os problemas, prováveis ou meramente possíveis, já foram pensados e a solução equacionada antes que ele vire perda.

Entretanto, de nada vale planejar se não for para cumprir o planejamento. Muito importante: isto não significa um engessamento das ações. Significa, sim, não fugir do eixo, muito embora ao longo do processo algumas das coisas que se planejou tenham que ser revistas e/ou adaptadas. Ou seja, o planejamento é uminstrumento dinâmico, mas o foco não deve ser perdido.

Um caso típico desta flexibilidade é a frequente aparição de gastos imprevistos nos 100 primeiros dias da empresa. Isto ocorre quando existe excesso de otimismo no cálculo das possibilidades da empresa, sacrificando o capital de giro. A recomendação é sempre considerar uma hipótese menos otimista, evitando surpresas desagradáveis.

Outro cuidado relevante é com o foco da empresa: é fundamental evitar a tentação de improvisar para agregar valor: acaba fazendo muitas coisas e mal feitas. Sempre seguir planejamento e simulações.

Avaliar permanentemente a receptividade da clientela à venda de produtos.

Investir na qualidade global de atendimento ao cliente, ou seja: qualidade do serviço, ambiente agradável, profissionais atenciosos, respeitosos einteressados pelo cliente, além de comodidades adicionais com respeito a estacionamento, facilidade de agendamento de horário, cumprimento de horário ouprazos, etc.;

Procurar fidelizar a clientela com ações de pós-venda, como remessa de cartões de aniversário, comunicação de novos serviços e novos produtos ofertados ;

O empreendedor deve estar sintonizado com a evolução do setor, pois esse é um negócio que requer inovação e adaptação constantes, em face das novas tendências que surgem dia-a-dia;

Após a padronização das etapas do processo produtivo, o empreendedor deve se preocupar com a expansão e fidelização dos canais de distribuição do produto.


São eles que vão definir o nível de produção e o faturamento da empresa.

 

O empreendedor envolvido com atividades ligadas a este setor precisa adequar-se a um perfil fortemente comprometido com a evolução acelerada de um ramo altamente disputado por concorrentes nem sempre fáceis de serem vencidos. Algumas características desejáveis ao empresário desse ramo são:

  • Ser bom comunicador, simpático, atencioso com os clientes;
  • Gostar e conhecer bem o ramo de negócio;
  • Pesquisar e observar permanentemente o segmento de mercado onde está competindo, promovendo ajustes e adaptações no negócio;
  • Ter atitude e iniciativa para promover as mudanças necessárias;
  • Saber administrar todas as áreas internas da empresa;
  • Saber negociar, vender benefícios e manter clientes satisfeitos;
  • Ter visão clara de onde quer chegar;
  • Planejar e acompanhar o desempenho da empresa;
  • Ser persistente e não desistir dos seus objetivos;
  • Manter o foco definido para a atividade empresarial;
  • Assumir somente riscos calculados;
  • Estar sempre disposto a inovar e promover mudanças;
  • Ter grande capacidade para perceber novas oportunidades e agir rapidamente para aproveitá- las;
  • Ter habilidade para liderar sua equipe de profissionais;
  • Imaginação criativa;
  • Sentido artístico e estético;
  • Sentido de pormenor e precisão;
  • Boa coordenação visual/motora;
  • Boa presença – apresentação – higiene pessoal.
 

O empreendedor pode buscar junto às agências de fomento linhas de crédito que possam ser utilizadas para ajudá-lo no início do negócio. Algumas instituições financeiras também possuem linhas de crédito voltadas para o pequeno negócio e que são lastreadas pelo Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), em que o Sebrae pode ser avalista complementar de financiamentos para pequenos negócios, desde que atendidas alguns requisitos preliminares.

Maiores informações podem ser obtidas na página do Sebrae na web:

.

 

Ao empreendedor não basta vocação e força de vontade para que o negócio seja um sucesso.

Independentemente do segmento ou tamanho da empresa, necessário que haja um controle financeiro adequado que permita a mitigação de riscos de insolvência em razão do descasamento contínuo de entradas e saídas de recursos. Abaixo, estão listadas algumas sugestões que auxiliarão na gestão financeira do negócio:

FLUXO DE CAIXA

O controle ideal sobre as despesas da empresa é realizado por meio do acompanhamento contínuo da entrada e da saída de dinheiro através do fluxo de caixa. Esse controle permite ao empreendedor visão ampla da situação financeira do negócio, facilitando a contabilização dos ganhos e gestão da movimentação financeira.

A medida que a empresa for crescendo, dificultando o controle manual do fluxo de caixa, tornando difícil o acompanhamento de todas as movimentações financeiras, o empreendedor poderá investir na aquisição de softwares de gerenciamento.

PRINCÍPIO DA ENTIDADE

O patrimônio da empresa não se mistura com o de seu proprietário. Portanto, jamais se deve confundir a conta pessoal com a conta empresarial, isso seria uma falha de gestão gravíssima que pode levar o negócio à bancarrota. Ao não separar as duas contas, a lucratividade do negócio tende a não ser atingida, sendo ainda mais difícil reinvestir os recursos, gerados pela própria operação. É o caminho certo para o fracasso empresarial.

DESPESAS

O empreendedor deve estar sempre atento para as despesas de rotina como água, luz, material de escritório, internet, produtos de limpeza e manutenção de equipamentos. Embora pequenas, o seu controle é essencial para que não reduzam a lucratividade do negócio.

RESERVAS/PROVISÕES

Esse recurso funcionará como um fundo de reserva, o qual será composto por um percentual do lucro mensal – sempre que for auferido. Para o fundo de reserva em questão, poderá ser estabelecido um teto máximo. Quando atingido, não haverá necessidade de novas alocações de recursos, voltando a fazê-las apenas no caso de recomposição da reserva utilizada. Esse recurso provisionado poderá ser usado para cobrir eventuais desembolsos que ocorram ao longo do ano.

EMPRÉSTIMOS

Poderão ocorrer situações em que o empresário necessitará de recursos para alavancar os negócios. No entanto, não deverá optar pela primeira proposta, mas estar atento ao que o mercado oferece, pesquisando todas as opções disponíveis. Deve te cuidado especialmente com as condições de pagamento, juros e taxas de administração. A palavra-chave é renegociação, de forma a evitar maior incidência de juros.

OBJETIVOS

Definidos os objetivos, deve-se elaborar e implementar os planos de ação, visando amenizar erros ou definir ajustes que facilitem a consecução dos objetivos financeiros estabelecidos.

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES

As novas tecnologias são de grande valia para a realização das atividades de gerenciamento, pois possibilitam um controle rápido e eficaz. O empreendedor poderá consultar no mercado as mais variadas ferramentas e escolher a que mais adequada for a suas necessidades..

 

Aproveite as ferramentas de gestão e conhecimento criadas para ajudar a impulsionar o seu negócio. Para consultar a programação disponível em seu estado, entre em contato pelo telefone 0800 570 0800.

Confira as principais opções de orientação empresarial e capacitações oferecidas pelo Sebrae:

Cursos online e gratuitos – http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/cursosonline

Para desenvolver o comportamento empreendedor

Empretec – Metodologia da Organização das Nações Unidas (ONU) que proporciona o amadurecimento de características empreendedoras, aumentando a competitividade e as chances de permanência no mercado: http://goo.gl/SD5GQ9

Para quem quer começar o próprio negócio

As soluções abaixo são uteis para quem quer iniciar um negócio. Pessoas que não possuem negócio próprio, mas que querem estruturar uma empresa. Ou pessoas que tem experiência em trabalhar por conta própria e querem se formalizar.

Plano de Negócios – O plano irá orientá-lo na busca de informações detalhadas sobre o ramo, os produtos e os serviços a serem oferecidos, além de clientes, concorrentes, fornecedores e pontos fortes e fracos, construindo a viabilidade da ideia e na gestão da empresa: http://goo.gl/odLojT

Para quem quer inovar

Ferramenta Canvas online e gratuita – A metodologia Canvas ajuda o empreendedor a identificar como pode se diferenciar e inovar no mercado: https://www.sebraecanvas.com/#/

Sebraetec – O Programa Sebraetec oferece serviços especializados e customizados para implantar soluções em sete áreas de inovação: http://goo.gl/kO3Wiy

ALI – O Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) é um acordo de cooperação técnica com o CNPq, com o objetivo de promover a prática continuada de ações de inovação nas empresas de pequeno porte: http://goo.gl/3kMRUh

Para quem busca informações

Informações mercadológicas e sobre negócios são imprescindíveis na tomada de decisão, Nos sites abaixo encontrarão muitas respostas.

https://sebraeinteligenciasetorial.com.br/

https://datasebrae.com.br/

http://sebraemercados.com.br/sim/

 

Tem um dúvida sobre a sua ideia? Experimente fazer uma pergunta para a nossa comunidade.

Explore outras ideais de negócios em sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae

Esse é o perfil institucional do Sebrae nessa comunidade. Quer saber mais sobre o Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas? Acesse: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/canais_adicionais/o_que_fazemos

Me siga