CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Aumento do investimento chinês no Brasil e outros países da américa latina.

Aumento do investimento chinês no Brasil e outros países da américa latina.

Setor de importância estratégica para o desenvolvimento social e econômico, transmissão e distribuição de eletricidade na América Latina continua a ser revolucionado pela chegada dos conglomerados estatais Chile e no Peru e por sua contínua expansão no Brasil, a China é também o parceiro comercial número um dos três países.

Neste contexto, a China adquiriu uma base na transmissão e distribuição de energia na América Latina, priorizando as aquisições de empresas operacionais através de investimento direto sobre o início de empregos a partir do zero, permitindo fluxos de caixa imediatos.

Sua presença na área é uma evidência da contínua internacionalização das empresas chinesas sob a política expressionista da China. Isto se concentra em indústrias-chave nas quais a China tem um excedente produtivo, forçando-a a buscar novos mercados para localizar estoques.

China e Brasil são membros deste BRICS e do G-20 e desde 2004, e participam da Comissão de Alto Nível de Concertação e Cooperação Chinês-Brasileira para organizar iniciativas bilaterais.

Todas as comunicações entre a China e Brasil tem barreiras de linguagem, por tanto serviço de tradução de chinês para português juramentada é necessária

No Brasil, ganhou licitações para linhas de transmissão num total de 15.761 km a partir do final de 2019. Para o negócio, que controla quase 90% da transmissão de eletricidade.

Na realidade, 60% do investimento da rede estatal da China está atualmente no Brasil, com um valor de US$12,4 bilhões. Esses investimentos garantiram a gestão da rede estatal de 10% de suas redes de alta tensão no Brasil e 14% da distribuição em geral.

Por sua parte, tem ativos no Equador, Bolívia, Chile e Brasil, nos quais funciona ou opera conjuntamente 17 usinas hidrelétricas e 11 turbinas eólicas.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Gui daxiaNovo na comunidade