CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Tendências de consumo para o primeiro trimestre

Tendências de consumo para o primeiro trimestre

Pesquisa indica as tendências de consumo para o período de janeiro a março de 2012
Foto: divulgação
O Programa de Administração de Varejo (PROVAR), da Fundação Instituto de Administração (FIA), junto com a Felisoni Consultores Associados, divulgaram na última terça-feira (17) o resultado da Pesquisa Trimestral de Intenção de Compras no Varejo – Janeiro a Março de 2012.

De acordo com o levantamento – que se divide entre pesquisa de campo, estatísticas e pesquisa com compradores e-commerce – este início de ano sofrerá uma forte desaceleração nas vendas, por conta da redução estimada das disponibilidades orçamentárias para o primeiro trimestre, e o aumento da inadimplência.

Para que se tenha uma ideia, a evolução do consumo global caiu para 3,2%, entre novembro de 2010 e novembro de 2011. No paralelo, a taxa de juros para crédito aos setores privados e públicos aumentou de 39,1% (em novembro de 2010) para 44,7% (em novembro de 2011), enquanto o índice de inadimplência, que era de 6% em março do ano passado, já pode chegar a 7,89% neste primeiro trimestre.

Por conta disso, as intenções de compra sofrerão os primeiros reflexos, caindo de 71,8% (registrado no primeiro trimestre de 2011) para 60,6% nos próximos meses.

Dentre as categorias mais consumidas neste período, vestuário e calçados aparecem com 15,4%, seguidos por viagens e turismo, com 12%; material de construção (9,8%), produtos da linha branca (9,6%), automóveis e motos (9,4%) e materiais de informática (8,4%).

Dos 500 entrevistados que participaram da pesquisa de campo – no período de 19 a 30 de dezembro de 2011, na cidade de São Paulo – a maioria pertence à classe C (34%), seguida de D (33,4%) e B (18,2%), e pretende gastar no máximo R$ 2971, com a compra de móveis, e no mínimo R$ 127 com eletroportáteis. Para estes parâmetros, o levantamento levou em consideração também as amostras por ordem de renda, sendo a maioria (64,8%) com três a oito salários; 20,2% com oito a quinze, e 10,2% com até três salários mínimos.

Do ponto de vista positivo, no período do primeiro trimestre de 2011 e o primeiro trimestre de 2012, haverá um crescimento significativo nas intenções de compra e gastos médios com materiais de construção (62,2%), móveis (63,7%), telefonia e celulares (44,9%), e queda no consumo de produtos ligados a cine e foto (-28,4%), eletroeletrônicos (-35,7%), imóveis (-5,4%), casa, mesa e banho (-42,2%) e informática (-8,5%).

Intenção de compra pela internet

Na análise que também foi feita com 4.375 internautas, no período de 2 a 10 de Janeiro deste ano, as intenções de compra pela internet neste primeiro trimestre cairão de 90% (registrado no primeiro trimestre de 2011) para 86,4% nos próximos meses.

Os produtos da linha branca ficam no topo da lista de interesse do consumidor este ano (com 6,4% de intenção) e os de menor importância aparecem na seguinte ordem: CDs, DVDs, livros e revistas (-18%), produtos para casa (-9,4%), informática (-7,3%) e viagem e turismo (-6,1%).

Já a renda familiar para esse perfil de entrevistado oscilou entre R$ 3900 (para 30,8% dos internautas), e R$ 1950 a R$ 1040 para 22,1% deles. Consequentemente, os produtos mais procurados neste início de ano, divididos por categorias, serão os eletroeletrônicos com 38%, os materiais de informática (31%), telefonia e celulares (27,8%), linha branca (23,5%) e produtos para casa (22,1%).

Diante deste cenário, as instituições puderam concluir também que 18,4% da renda familiar dessas pessoas está comprometida com crediários, sobrando 10,2% para as demais despesas com alimentação, educação e habitação, que aparecem no topo das prioridades.
Fonte: Revista No Varejo
Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae