CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Técnicas de poda aprimoram a lavoura de café

O Brasil, maior produtor e exportador mundial de café, e segundo maior consumidor do produto, apresenta, atualmente, um parque cafeeiro estimado em 2,3 milhões de hectares. São 287 mil produtores que, fazendo parte de associações e cooperativas, distribuem-se em 15 Estados. Com dimensões continentais, o país possui uma variedade de climas, relevos, altitudes e latitudes que influencia na qualidade do produto final. Veja, abaixo, aspectos que podem aprimorar a sua lavoura.

Escolha do local

A primeira decisão importante para um produtor de café é a escolha do local da lavoura, ou o entendimento das características do terreno disponível e das necessidades de ajustes para melhor resultado na produção.

Sugere-se que sejam evitadas áreas com as seguintes características:

– Voltadas para regiões sujeitas à ação de ventos frios, prejudiciais ao cafeeiro;

– Que tenham sido utilizadas para plantio de café há menos de cinco anos, situação propícia para o aparecimento de pragas e moléstias no novo cafezal;

– Com baixadas úmidas;

– De topografias muito íngremes, solos rasos, pedregosos ou muito erodidos.

Manejo: poda

A região do plantio deve se basear nos aspectos do solo, clima, altitude, assim como o tipo de condução da lavoura. Uma delas é a técnica de manejo, que envolve a decisão de podar ou não a lavoura de café. Para isso, verifique se a técnica é realmente necessária ou se outras práticas de manejo podem sanar o problema. Caso a poda seja a mais recomendada, confira alguns tipos.

Recepa. É a poda mais drástica, pois elimina toda a parte aérea do cafeeiro e provoca a morte de 80% das raízes absorventes. Por isso, deve ser aplicada somente quando não existe a possibilidade de trabalhar com outro tipo de poda.

Decote. Elimina a parte superior do cafeeiro para reduzir a sua altura, facilitando os tratos culturais e a colheita. Aplica-se, também, no caso de cafeeiros atingidos por geada de capote dos ponteiros, granizos ou faíscas elétricas.

Esqueletamento. Consiste na associação do decote alto com o corte acentuado dos ramos produtivos. È indicado para lavouras em vias de fechamento, desgastadas pela idade com perda de produção, atingidas por geadas de capote e para àquelas do sistema adensado mecanizável (que necessitam de podas a cada quatro ou cinco anos).

Desponte. É aplicado para restauração do crescimento dos ramos laterais, quando atingem um cumprimento acima de 1,20 m e começam a mostrar sinais de esgotamento, reconhecido pela falta de vigor.

Poda seletiva. Variante executada após análise individual de cada planta, a poda seletiva preserva o potencial produtivo da lavoura. Requer mão de obra treinada, sendo recomendada para pequenos produtos.

 

Para mais detalhes sobre as técnicas contidas neste post, acesse:

http://bis.sebrae.com.br/GestorRepositorio/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/0480A9218474C35B832578D100544708/$File/NT000462BA.pdf

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae