CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Shopping e Varejo viraram coisa para gente grande

Shopping e Varejo viraram coisa para gente grande

Fonte: GS&MD
No passado, as redes de varejo brasileiras apresentavam
características muito semelhantes. Em geral, seguiam uma cartilha
básica: redes familiares regionais, sociedade 100% nacional, erguidas
pelo idealismo do seu fundador, que soube aproveitar uma combinação
mercadológica favorável, de baixa concorrência, juros altos,
informalidade, consumidores pouco exigentes, presença constante do dono
nas decisões do dia a dia da empresa e de familiares nos cargos
estratégicos.
Desde então, as redes familiares ainda continuam fortes, mas muita
coisa mudou no interior delas. De maneira geral, de forma irreversível,
mudanças profundas alteraram (e muito) as feições destas empresas,
formando um novo panorama para o varejo brasileiro. São elas:
  • Com a saída dos donos, à frente dos negócios, muitas empresas foram
    assumidas por executivos mais preparados academicamente, herdeiros ou
    não
  • A gestão intuitiva deu espaço para as boas práticas de gestão
  • A presença de familiares em cargos de confiança diminuiu
  • Muitas foram vendidas ou incorporadas por redes maiores
  • Várias delas simplesmente fecharam
  • Muitas receberam a incorporação de sócios investidores
  • Muitas possuem parte ou predominante capital estrangeiro
  • Investiram em infraestrutura e estão preparadas para a concorrência dos dias atuais
  • Estão 100% formais
  • Expandiram para outras fronteiras, através de franquias ou redes próprias.
Dentro da seleção natural, as empresas que permaneceram no mercado
até os dias de hoje estão mais fortes do que nunca, renovadas,
atualizadas, pujantes, em franco crescimento.
Somando-se a isto, novos players nacionais e internacionais surgem,
impulsionados pelo crescimento do mercado interno; nascem já preparados
para um mercado cada vez mais competitivo. Parte destes players
compõe-se de redes de varejo formadas pela indústria que está cada vez
mais presente através de canal direto com a criação de suas redes
exclusivas de lojas.
Com todas estas transformações ocorrendo no varejo, fica evidente que
praticar varejo é cada vez mais coisa de gente grande. O surgimento dos
grandes conglomerados varejistas consegue, através da escala, minimizar
custos e maximizar resultados. É a única forma de superar as
adversidades que um varejista enfrenta atualmente no Brasil: margens
baixas, alta competição, custo da mercadoria cada vez maior, impostos
leoninos, custos de ocupação e folha de pagamento em patamares altos.
Nunca houve tantos grupos de varejo no Brasil, formados por
aquisições, criações de novas marcas, fusões. Citando alguns exemplos,
redes de franquias como Trend Foods, Trigo, BFFC, Ornatus e redes
próprias como InBrands, Valdac, Restoque, IMC e Alsea dominam cada vez
mais os corredores dos shoppings brasileiros.
Aos pequenos, não restam muitas alternativas num ambiente assim. Se
quiserem manter suas contas em dia, os seus elevados custos não permitem
novos investimentos e as receitas mal pagam as despesas mensais. O
capital de giro acaba não resistindo por muito tempo e o próprio
pró-labore do empreendedor acaba sendo sacrificado ou reduzido, o que
torna um inferno a vida de um franqueado ou de um pequeno lojista. A
taxa de mortalidade nunca foi tão alta para os pequenos.
Nos shoppings centers tradicionais e consolidados, a competição para o
melhor mix tem pressionado cada vez mais o patamar de preços de luvas e
custos de ocupação para cima. A taxa de vacância nunca foi tão baixa.
Por outro lado, nos novos shoppings em grande profusão pelo país, o
cenário é oposto, onde se vê uma dificuldade muito grande na
comercialização de lojas. Parte disto é o fato de não existirem mais
tantos empreendedores dispostos a investir e encarar os riscos de
abertura de um novo negócio.
Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae