CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Publicidade nos dispositivos móveis

Publicidade nos dispositivos móveis

No ano de 2010, o Brasil tinha 20 milhões de linhas 3G. Em 2011 chegou a 40 milhões; e em fevereiro deste ano, atingiu 48 milhões linhas, ou seja, em 2 meses nosso mercado cresceu 20% em relação ao ano passado. Deveremos chegar ao final de 2012 com 70 milhões de usuários, um crescimento de 75% sobre o ano passado.

Em pouco tempo, teremos investimentos mais consistentes na plataforma mobile por uma questão muito simples: a Internet passará a ser cada dia mais móvel. O Facebook divulgou que dos 901 milhões de usuários que eles têm, 500 milhões usam-no em algum dispositivo móvel, ou seja, o dono da Internet já é em sua maioria móvel.

Os investimentos em mobile marketing e mobile advertising ainda não são grandes, mas é uma questão de tempo até que o mobile tenha um investimento minimamente compatível com o seu tamanho e sua importância na publicidade, na comunicação, no marketing e no ambiente de negócios.

Oportunidades: prestar serviço é uma forma de conquistar a clientela

Este ainda é um mercado em formação. Ao mesmo tempo, hoje há no mundo quase seis bilhões de celulares, ou seja, poderemos perceber que há um mar de oportunidades a ser explorado. É preciso lembrar ainda que o consumidor brasileiro gosta de tecnologia, e é um dos povos que mais passa tempo na Internet e mais usa o internet banking.

Recentemente o Banco Itaú realizou interessante campanha para celular: a da risada do bebê. Eles criaram um recorte especifico estimulando o download de uma risada de bebê para o celular. As pessoas enviavam um simples SMS, gratuitamente, para receber a risada.  Foi um sucesso, milhares de pessoas baixaram.

Outro exemplo, A Globo criou o aplicativo Medida Certa, que apoia os brasileiros na batalha contra a obesidade. Hoje, mais de 500 mil pessoas já baixaram em seus smartphones este programa.

Já imaginou quanta oportunidade pode ser explorada através deste meio, o mobile? Por exemplo uma padaria de um bairro poderia cadastrar as pessoas e avisar cada vez que saísse uma nova fornada de pães. Uma academia poderia investir em um aplicativo que ajudasse seus clientes na sua meta de perder peso com dicas de como eliminar as calorias…

Conteúdo para celular

Mas atenção, o celular é um meio, uma mídia. A web não é diferente do mobile, porque não é o computador, mas uma rede mundial, o meio de conexão. Então, não há a necessidade de produzir um conteúdo só para o celular.

A grande diferença da publicidade veiculada na Internet é que nesta plataforma o consumidor é ativo, e mais não passivo, como ele sempre foi no rádio, TV, revista ou qualquer outro advento anterior à Internet. Na web, o conteúdo ou a curadoria é mais importante do que a embalagem. Com isso, a parte mais importante passou a ser onde colocar o anúncio e a relevância dele para o seu público.

Para obter bons resultados nas campanhas para celulares, precisamos pensar em estratégias de comunicação diferenciadas. Vender um produto, uma ideia ou um serviço se tornou um desafio cada vez mais meticuloso e fragmentado.

Edição: Fernanda Peregrino, da F&C Comunicação e Projetos

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Ingrid MenezesNovo na comunidade