Resposta ( 1 )

  1. Por favor, explique brevemente por que você acha que essa resposta deve ser relatada.

    Reportar
    Cancelar
    Essa resposta é editada.

    Olá, Kelly, tudo bem?

    Nessa crise, a beleza e estética, talvez, seja um dos segmentos mais afetados, uma vez que todos os procedimentos exigem contato direto com pessoas e/ou superfícies.

    Primeiro é preciso entender que o receio do cliente é compreensível e que, por não se tratar de um serviço essencial, ele pode optar por esperar um pouquinho, até que as coisas se acalmem, para voltar a fazer uma limpeza de pele, um design de sobrancelhas ou qualquer outro procedimento estético.

    Pensando nisso, você pode pensar em algumas alternativas:

    • Oferecer atendimento personalizado ou “delivery”, sempre com a necessidade de comunicar todos os cuidados com higiene e segurança que estão sendo adotados;
    • Focar no relacionamento e na retenção dos clientes que você já tem: se você já atua nas Redes Sociais, é hora de investir em conteúdo de dicas, entretenimento, informação e deixar os clientes que você já tem ainda mais “envolvidos”, agora é hora de fazer tudo aquilo que não dava tempo de fazer na correria diária. Se você ainda não atua nas Redes Sociais, mergulha de cabeça nisso;
    • Dedicar em conhecer muito bem seus clientes: é hora também de melhorar sua base de dados dos clientes, saber todos os procedimentos que eles já fizeram, entender melhor os desejos, sonhos, medos, ansiedades e muito mais. Isso vai facilitar você pensar no tipo de serviço que você vai ofertar depois da crise, por exemplo: você sabe que a maioria das suas clientes de unha de gel não fizeram manutenção, talvez você possa pensar em um “consórcio unhas perfeitas”, onde a cliente vai pagar dividido e, quando puder fazer, já vai estar com o serviço quitado. Assim, você garantiria uma renda, mesmo que menor, durante esse período.

    O fato é: não sabemos quais serão os efeitos dessa crise e das medidas preventivas que estão sendo adotadas, mas sabemos que as vendas da grande maioria das empresas vão cair com o distanciamento social. Não tem como fugir da realidade. Também não há uma receita pronta de “como driblar a crise”. Tudo depende do seu modelo de negócio, do mercado onde você está inserida e do comportamento do seu cliente.

    O que a gente precisa fazer é tentar adaptar nosso negócio para o comportamento atual do consumidor, na medida do possível. E, principalmente, se preparar para depois, porque toda crise tem ensinamentos, oportunidades e fim.

    Espero ter ajudado!

    Um abraço e até.

Deixe uma resposta