CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Números finais do crédito em 2009

O Banco Central do Brasil divulgou na última semana os números finais do ano passado, referentes às operações de crédito do sistema financeiro nacional.

No final de dezembro/2009 o volume total do crédito concedido pelos agentes financeiros alcançou R$1.410 bilhões, o que naquela data-base correspondia a 45% do PIB. O desempenho no ano indicou uma importante recuperação no mercado de crédito, após a contração verificada no final de 2008 e início de 2009, registrando assim um crescimento de 14,9% em doze meses.
O desempenho dos bancos públicos na concessão de crédito neste último ano fez com que o “market share” dessas chegasse a 41,4% do total do crédito concedido, percentual superior ao das instituições financeiras privadas nacionais (40,4%) e das instituições financeiras estrangeiras (18,2%). Para se ter idéia deste crescimento, registra-se que no final do ano de 2008 os bancos públicos respondiam por 36,2% do mercado de crédito, ao passo que as instituições financeiras privadas nacionais e estrangeiras representavam, respectivamente, 42,8% e 21% do total de crédito concedido naquela data.

As contratações com recursos direcionados chegaram a R$457,2 bilhões em dezembro, uma ampliação de 28,4% no ano, impulsionada pelas operações do BNDES, cujo saldo atingiu R$280,4 bilhões. Os desembolsos efetuados pelo BNDES entre janeiro e dezembro de 2009 somaram R$136 bilhões, sendo que 9% desse valor foram direcionados para MPE (R$11,6 bilhões). Os empréstimos com recursos livres, correspondente a 67,6% do total de crédito do sistema financeiro, atingiram R$953,1 bilhões em dezembro, um crescimento de 9,4% no ano.

Ao longo de 2009, as taxas de juros das operações com pessoas físicas recuaram 15,2 p.p, mais do que nas contratações com pessoas jurídicas (5,2 p.p.), reflexo do comportamento das taxas de inadimplência nos dois segmentos, que fecharam o ano respectivamente em 7,8% e 3,8%.
Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae