Cadastrar

Entrar

Esqueceu a senha?

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por e-mail.

Desculpe!, Você precisa se logar para perguntar.

Você precisa se logar para postar no Blog

Mesmo em época de incertezas, mercado imobiliário projeta alta até final do ano

Mesmo em época de incertezas, mercado imobiliário projeta alta até final do ano

A pandemia deixou suas sequelas em diversas áreas da sociedade atual – dentre elas, o mercado financeiro sofreu grandes períodos de instabilidade, como o nicho imobiliário. Porém, com a mesma rapidez que se desvalorizou, o setor vem em um crescimento exponencial e sem perspectiva de diminuir.

O sócio-fundador da SI ADvisors Rony Susskind, em entrevista ao Estadão, fala sobre as dificuldades que se projetaram com a pandemia. “Achávamos que a crise poderia afetar bruscamente nossos negócios, principalmente quando fomos proibidos de entrar nos apartamentos para continuar a reforma, mas foi justamente neste período que montamos nosso e-commerce, nossa marcenaria e marmoraria. A crise, para nós, representou a abertura de três novos negócios muito interessantes”, diz Rony.

Segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o setor ainda tem uma previsão de crescimento de 30% para 2021. Segundo os dados fornecidos, somente no primeiro trimestre, os financiamentos cresceram 113%, em comparação com o mesmo período de 2020.

De acordo com a Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), devido à pandemia, as pessoas tiveram de ficar mais tempo confinadas dentro de suas casas, seja pelo isolamento, quarentena ou até mesmo home office, o que acabou aumentando o interesse por lares maiores e condomínios com áreas de lazer.

A Ademi aponta que os clientes ainda possuíam fácil acesso a imobiliárias e corretores, e, com a pandemia, os anúncios online cresceram exponencialmente, facilitando a vida destes profissionais, que passaram a realizar visitas de modelos decorados online.

A baixa histórica da taxa Selic para 2% – a taxa de juros que regula todas as outras – também contribuiu muito para a recuperação do mercado de imóveis. Mesmo com uma tendência de alta, que, segundo o Comitê de Política Monetária (Copom), pode chegar a 7,5%, o setor continua otimista e projetando aumento de demanda.

Com isso, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), em julho de 2020, o volume de crédito imobiliário chegou a R$ 10,8 bilhões – aumento de 61,5% em relação ao mesmo período de 2019.

Segundo a última pesquisa do Datastore, realizada ainda em 2021, o índice de intenção de compras no segmento popular, médio padrão e alto luxo por todo o país é de cerca de 29%. Ainda de acordo com os dados fornecidos, 14,5 milhões de famílias pretendem adquirir um imóvel nos próximos 24 meses. O cenário abre possibilidade para diferentes modalidades de compra, como leilão de imóveis, financiamento e compra à vista.

No final das contas, o mercado imobiliário é um dos setores que mais têm chances de sair desta pandemia com a “cabeça erguida”. Com uma projeção de alta e ótimas oportunidades de negócios, acaba sendo um porto seguro para investidores, em meio a uma época de tantas incertezas.

You must login to add a comment.

Posts relacionados