CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Informações técnicas para manter um viveiro de Tilápia

Informações técnicas para manter um viveiro de Tilápia

102

Atualmente, a tilápia híbrida (ou a revertida) é um dos peixes mais recomendados para a piscicultura em áreas tropicais, devido ao seu bom crescimento, taxa de conversão e resistência às adversidades do meio, além de ser fácil de ser reproduzida.

Temperatura

A faixa de temperatura para o bom desempenho está entre 20 e 38 graus centígrados, com ótimo aos 30 graus. Suporta bem baixos níveis de oxigênio dissolvido, sendo o mínimo de 3 ppm para o bom crescimento.

Sobre a Tilápia

O híbrido da tilápia bem nutrido, tem crescimento rápido e uniforme: chega aos 28 cm de comprimento e aproximadamente 0,5 kg aos oito meses de idade, ou seja, com seis meses de engorda. Com mais dois meses de engorda pode pesar 0,8 kg. A tilápia é onívora, tendo grande capacidade de digerir material vegetal. Sua comida predileta é o zooplâncton, mas consome também pequenos animais do fundo e bactérias. Híbridos com até 300 gramas não aceitam ração em partículas grossas, exigindo farinha fina.

Povoamento

O povoamento dos viveiros deve ser feito na relação um alevino por metro cúbico de água. Considerando um viveiro de 5.000 metros quadrados, com uma altura média de 1,5 metro, deveriam ser colocados em cada viveiro 7.500 alevinos de tilápia híbrida ou revertida. Todavia, para compensar a perda por mortalidade e outras causas, a sugestão é colocar 20% a mais, ou seja, 9.000 alevinos em cada viveiro.

Cuidados a se tomar

Os peixes para o povoamento dos viveiros deverão ter um peso mínimo de 10 gramas e serão adquiridos de estações de piscicultura especializadas. Os alevinos são colocados nos viveiros com muito cuidado para que não sejam machucados. Deve-se evitar tocar os alevinos com as mãos, a fim de não retirar a fina camada “melosa” que os protegem.

Outro cuidado importante a se tomar é com a temperatura da água. O saco plástico que transporta os alevinos deve ser colocado em contato com a água que irá recebê-los.

Quando a temperatura da água do saco plástico, se igualar à temperatura da água do viveiro, os filhotes podem então ser soltos aos poucos e devagar. A melhor hora para soltar os alevinos nos viveiros é pela manhã ou ao entardecer, ou ainda, nos dias nublados a qualquer hora.

Alimentação

A engorda em escala comercial de peixes determina que estes sejam alimentados artificialmente por intermédio de rações balanceadas, fareladas ou granuladas, complementadas por outros nutrientes.

Na hipótese de cultivo sem intensivo, com tecnologia de alimento à base de ração para sustentar um povoamento de um peixe por metro cúbico de água, o alimento deve ser administrado duas vezes por dia, em períodos fixos, de preferência no início da manhã, e no final da tarde.

A metodologia mais utilizada para a determinação da quantidade de ração a ser lançada nos viveiros é a que guarda uma relação da ração com a sua biomassa. A quantidade de ração a ser lançada por dia deve corresponder a 3% da biomassa existente no viveiro, isto é, quantidade total de peixes vezes seu peso médio, sempre dividido em duas partes.

Conheça o guia completo aqui. 

Faça uma pergunta.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Comentário ( 1 )

  1. […] de cultivo: Pode-se cultivar tilápias em viveiros escavados, raceways ou em […]

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae