Cadastrar

Entrar

Esqueceu a senha?

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por e-mail.

Desculpe!, Você precisa se logar para perguntar.

Você precisa se logar para postar no Blog

Faça bons negócios de olho na conjuntura econômica

Faça bons negócios de olho na conjuntura econômica

Para fazer negócios com sucesso, é preciso conhecer a conjuntura econômica do Brasil e do mundo

O Brasil vive um momento de conjugação de ameaças exportadas por economias maduras e o surgimento de oportunidades, realidade resultante da agenda de negócios no Brasil e uma nova visão de enfretamento por parte da política econômica. Diante deste cenário, é propício discutir questões que interferem nas decisões estratégicas dos empreendimentos: conjuntura econômica internacional, políticas públicas de enfrentamento às crises econômicas e oportunidades de negócios geradas pelos megaeventos que ocorrerão no País.

Políticas de enfrentamento

O Brasil reage às crises das economias europeias, asiática e americana com uma postura desafiadora e diferenciada, considerando as receitas utilizadas até então nas mudanças da conjuntara econômica externa.

As crises econômicas tradicionalmente ensejam prudência, pois é fundamental garantir a continuidade dos negócios, em detrimento de arriscar e testar novas possibilidades, seja adequando os existentes, seja percebendo novas vertentes a serem exploradas. Neste cenário, o governo brasileiro adotou algumas posturas que visam encorajar a manutenção do crescimento via mecanismos fiscais, como a redução de incidência tributária em setores de forte apelo de consumo e empregador de grande contingente de mão de obra e aqueles que sofrem maior exposição à concorrência internacional.

Outra decisão importante é o enfrentamento do dilema clássico: juros x inflação. Neste ponto, em particular, reside talvez a maior oportunidade de mudança no comportamento e decisão do empresário ao visualizar alternativas e oportunidades que possam atender à proposta da política pública, que pretende fortalecer a economia, com utilização de mecanismo de defesa clássico, para manter um crescimento maior do que aquele possível.

Encorajam os novos investimentos a redução dos juros básicos (Selic) e o movimento indutor, por parte do governo, para alcançar o mesmo efeito nas taxas praticadas pelo sistema financeiro no mercado de crédito.

Oportunidades de negócios

Por outro lado, abre espaço para desenvolver novas oportunidades de negócios competitivos e criativos a extensa agenda econômica do Brasil nos próximos anos, que já tem prevista a realização de megaeventos – Copa do Mundo Fifa 2014 e Olimpíadas 2016 – e a execução de importantes programas de investimentos da iniciativa pública – PAC, Pré Sal, Déficit Habitacional e Aceleração da Interiorização do Desenvolvimento.

Aproveitar as oportunidades geradas pela agenda de negócios é fator decisivo para que as empresas de grande, médio e pequeno porte contribuam com as estratégias governamentais de fortalecimento da economia brasileira, evitando que não se resumam a ações pontuais, o que poderia ensejar algum risco e vulnerabilidade ao País. O aproveitamento dessas oportunidades de negócios amplia o nível de investimento e, consequentemente, a oferta, agindo como regulador das políticas emergenciais e indutoras de consumo.

Esse movimento é importante, porque o crescimento do mercado de crédito para alimentar e sustentar o consumo doméstico – fator preponderante para o crescimento pós-crise 2008 – só garantirá o êxito dos negócios que surgirem em decorrência da agenda brasileira, se houver equilíbrio entre a elevação do estoque de dívida com a elevação do estoque de renda.

Assim, neste momento de enfretamento às dificuldades econômicas, é fundamental acessar às oportunidades existentes, combinadas com suas reais possibilidades, seja a partir dos megaeventos, seja pela mudança do perfil de consumidores – fortalecido pela movimentação e ascensão de classes econômicas, a exemplo do deslocamentos das classes D e E em direção à Classe C.

Edição: Fernanda Peregrino, da F&C Comunicação e Projetos.

You must login to add a comment.

Posts relacionados