CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Ex-sacoleira de sapatos femininos cria mais de 20 lojas em 30 anos

Ex-sacoleira de sapatos femininos cria mais de 20 lojas em 30 anos

Fotos: UOL
Telma Maia Polo passou de sacoleira de sapatos a
empresária, e é dona da rede de franquias Lessô
Há cerca de 30 anos, a enfermeira Telma Maia Polo já fazia sucesso
vendendo calçados no hospital em que trabalhava como chefe do centro
cirúrgico em São José do Rio Preto (438 km a noroeste de São Paulo). Ela
incrementava sua renda revendendo sapatos comprados na capital.
“Eu era sacoleira, viajava e voltava com malas e malas cheias de pares.
Vendia para as amigas dos hospitais da cidade”, conta. Hoje, ela está à
frente da rede de lojas de sapatos e acessórios femininos Lessô,
fundada por ela há 28 anos e que possui duas lojas próprias e 16
franquias nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Norte e Sudeste. Fora
isso, tem lojas de outras marcas.
Polo enfrentou as dificuldades típicas das sacoleiras – fazer longas
viagens e carregar sacolas pesadas. “Quando meu pai viu o que eu
passava, pagou meu irmão para me acompanhar e me ajudar a carregar o
peso”, diz.
Já naquela época, a vocação comercial de Polo era tão grande que não
demorou para que ela trocasse de profissão e apostasse suas fichas numa
loja de calçados. Alugou a garagem de uma amiga e montou o
estabelecimento com apenas algumas prateleiras e poltronas para que as
clientes pudessem experimentar os sapatos.
A sorte é que a garagem da amiga ficava ao lado de uma famosa butique
da cidade. Então, o movimento de mulheres era grande. Segundo ela, mesmo
as clientes chiques da butique entravam por “curiosidade” na sua
garagem e encontravam sapatos diferentes dos que havia na cidade.
“Fui criando relacionamento, conquistando clientes. Cuidava de todas as
atividades da loja e, quando ia ao banco, levava a sacola de sapatos
para vender. Até hoje tenho clientes daquela época e continuo levando os
produtos até elas, mas agora são motoboys que levam os sapatos na casa
das clientes para elas experimentarem”, diz.
Relacionamento garantiu clientes e parcerias comerciais 
A marca própria Lessô está se
expandindo por meio de franquias

O relacionamento sempre foi o forte da empreendedora, tanto com
clientes, quanto com fornecedores. Segundo Polo, isso garantiu parcerias
e exclusividade de modelos por parte dos fabricantes.

Durante a transição de sacoleira a empresária, ela foi sofisticando
seus produtos e adaptando o negócio. Polo foi uma das primeiras a vender
as marcas Arezzo e Victor Hugo no interior. Ela mantém duas lojas
multimarcas e uma da Victor Hugo, de sapatos, bolsas e carteiras, além
da marca Lessô.

A expansão por cidades do interior inicialmente foi um processo
natural, segundo a empreendedora, mas a Lessô já está em capitais como
Rio de Janeiro e Brasília.

Hoje em dia, em vez de viajar para São Paulo para comprar por atacado,
ela visita a Europa e os Estados Unidos em busca de inovação para seus
produtos, que são fabricados por parceiros no Brasil. Alguns dos modelos
são exclusivos para sua marca.

“Junto com meus fornecedores, invisto em pesquisa e desenvolvimento”,
declara. A rede apresentou crescimento de 10% no faturamento em 2011 e
possui duas linhas diferenciadas de produtos -a Mezzo Punto, de sapatos
sofisticados e que é de uma empresa desvinculada da Lessô, e a
Lessôzinha, de tamanhos infantis.

Polo já foi conselheira do Conselho da Mulher Empresária e
Empreendedora, da qual foi fundadora, e diretora da Associação Comercial
e Industrial de Ribeirão Preto.

Por seu empreendedorismo, Telma ficou entre as 10 finalistas do prêmio
Mulher de Negócios do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas), em 2010.

Fonte: UOL
Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae