CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

ESPECIAL GEC: EMPREENDEDORISMO SE APRENDE NA ESCOLA

SAMSUNG CSC

Estimular o empreendedorismo e a criação de startups implica na geração de empregos, no crescimento econômico e na inovação em mercados globais cada vez mais competitivos. Esses foram alguns dos temas abordados durante o Global Entrepreneurship Congress (GEC), também conhecido como Copa do Empreendedorismo, realizado entre os dias 18 a 21 de março, no Rio de Janeiro. O caminho até a criação e a consolidação do pequeno negócio passa por diversos estágios. “O desafio não é apenas formar para o empreendedorismo, mas ensinar como fazer empresas crescerem e se consolidarem”, destacou o presidente do GEC, Jonathan Ortmans.

Ter foco no desenvolvimento de uma solução global e não apenas local é outra questão que deve ser levada em conta para os pequenos negócios que querem se consolidar no mercado.  A influência e o apoio do governo também podem fazer a diferença na promoção de um cenário mais favorável para os pequenos negócios que estão começando. “Uma questão importante é o quanto o governo deve influenciar. O melhor é que tente prover a infraestrutura e influencie o mínimo possível”, disse a diretora Executiva do MIT Enterprise Fórum, de Israel.

A inserção do conceito do empreendedorismo para os jovens é um dos grandes desafios no contexto mundial. Na Itália, por exemplo, o governo percebeu a necessidade de criar um ecossistema, que incluiu a diminuição da burocracia, a criação de um mercado mais liberal e um novo sistema fiscal. O conceito de mortalidade como fracasso empresarial também foi substituído pela definição de aprendizagem.

“Estamos estimulando o uso do capital intelectual das universidades e promovendo conexões que façam com que as pessoas fiquem atentas as oportunidades de criar negócios. É preciso conectar as pesquisas acadêmicas com as empresas e, em um segundo momento, com as necessidades do mercado global. O empreendedorismo não é feito por professores de negócios, mas por pessoas de fora da universidade que estão atentas”, comentou o conselheiro-chefe do Ministério do Desenvolvimento Econômico da Itália, Alessandro Fusacchia.

Já em Cingapura, empreendedorismo se aprende na escola. Para difundir a cultura dos novos negócios, o governo está trabalhando com os estudantes. Além de engenheiros, médicos e advogados, a meta é fazer com que crianças a partir de sete anos comecem a se reconhecer como possíveis empreendedores. “Tivemos empresários de sucesso que foram para as escolas palestrar. Eles destacaram para os alunos a criatividade, a liberdade, as oportunidades e as conquistas que tiveram como empreendedores. A consolidação da cultura do empreendedorismo é de longo prazo”, explicou o chefe de Apoio de Novos Negócios da Spring Cingapura, Patrick Lim.

No Chile, o investimento está em atrair talentos estrangeiros para oferecer novas conexões ao mercado local. O intuito é fazer com que os pequenos empresários chilenos consigam dar o próximo passo e buscar o desenvolvimento de soluções globais ao invés de apenas locais. “A ideia é trazer o talento de fora para sacudir o mercado interno. Essas interações entre empreendedores globais têm sido muito importantes. É fundamental construir pontes”, destacou o diretor executivo do InnovaChile, Conrad Von Ingel.

De acordo com a gerente do Serviço de Linha de Inovação e Empreendedorismo do Banco Mundial, Esperanza Lasagabaster, existe o desafio de criar estratégias globais para dar suporte aos novos pequenos negócios e, ao mesmo tempo, desenvolver oportunidades de emprego. Ela destacou que a ênfase das estratégias dependerá do cenário, dos desafios e das oportunidades de financiamento disponíveis. “Há uma percepção no empreendedorismo de hoje da importância de não apenas gerar capital, mas também conhecimento”, finalizou.

Saiba mais sobre o evento e acesse os vídeos = http://gec2013.com/pt-br

Veja também: ESPECIAL GEC: BRASIL RECEBE O MAIOR ENCONTRO MUNDIAL DE EMPREENDEDORISMO

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Lucio PiresSebrae

Analista Técnico do Sebrae Nacional. Trabalho com negócios digitais com formação em Negócios Exponenciais pela Singularity University – Califórnia, EUA. Especialista em Gestão de Pequenos Negócios (FIA/USP). Advogado especialista em Direito Empresarial (Estacio). Matemático com especialização em Finanças (UFBA).

Me siga