CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

E-books criam novas oportunidades de negócio

E-books criam novas oportunidades de negócio

Livros Digitais 2_Capa

Converter livros para o ePub (ferramenta que padroniza o acesso aos e-books nos diferentes dispositivos disponíveis) foi um dos desafios de editoras brasileiras quando decidiram entrar nesse mercado. Na ocasião, para fazê-lo, elas tiveram que recorrer a empresas estrangeiras, localizadas na Índia e nas Filipinas, por que a tradução tecnológica requeria habilidades específicas que ainda não eram encontradas por aqui.

Hoje, no Brasil, já existem empresas que atuam transformando livros impressos em livros digitais. A Simplíssimo, sediada em Porto Alegre, e a Kolekto, sediada em São Paulo, são exemplos. Mas esse setor ainda tem muitas oportunidades de negócios.

Para transformar impressos em e-books, são usados softwares de conversão, que automatizam o processo. Uma etapa seguinte, mais complexa, requer o trabalho de um programador de sistemas que altera o código principal do programa de acordo com as características do livro. Se a obra é repleta de gráficos ou ilustrações, por exemplo, mais ajustes ele terá de fazer.

Um livro digital traz à tona uma série de possibilidades de interação. Animações e recursos de áudio e vídeo são apenas algumas delas. Como será crescente o interesse dos leitores pelos recursos interativos e a oferta de livros digitais no País, a aplicação desse tipo de tecnologia tende a ser cada vez mais demandada.

É natural de se esperar que o setor ainda experimente muitos avanços tecnológicos pela frente. Mas hoje a expectativa, de acordo com especialistas, é que o formato digital (ePub3) criado mais recentemente pela IDPF – organização internacional de publicações digitais –, ajude no atendimento de parte da demanda.

Os dados mais recentes do mercado

A pesquisa anual da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), encomendada pelo SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e CBL, traz dados sobre a evolução do mercado no período 2011-2012. No Brasil, as 197 editoras pesquisadas pela FIPE faturaram R$ 3,85 milhões em vendas de e-books e aplicativos de conteúdo em 2012.

Carlo Carrenho, no blog Tipos Digitais, analisou a amostra: a partir de uma inferência, o número de exemplares vendidos significaria uma participação digital de 0,23% em 2012 e em uma aposta de que em 2013 serão mais de 3 milhões de e-books vendidos – o que representa quase 10 vezes mais que as vendas do ano passado.

Em comparação a mercados mais maduros, como os EUA, Europa e Japão, o livro digital ainda não se tornou num grande produto no Brasil, mas continua gerando um ambiente de boas expectativas para os próximos anos.

Como esse é um mercado muito novo, ainda existem muitas discussões sobre aspectos tecnológicos a serem travadas, além de aspectos operacionais do mercado a serem sedimentados. Hoje, grande parte do trabalho de conversão de livros em e-books tem sido terceirizada pelas editoras, mas algumas companhias também têm mobilizado equipes internas para cuidar da tarefa. Mesmo que esse fato, no médio prazo, representasse uma limitação para a expansão empresarial brasileira no mercado interno, exportar serviços de valor agregado para o mundo sempre será uma alternativa de estratégia mercadológica a ser considerada nos segmentos digitais.

O cenário do mercado na visão do BNDES

De acordo com a publicação “Desafios para o setor editorial brasileiro de livros na era digital”, o cenário para o mercado brasileiro delineia as seguintes tendências:

1. As editoras vão produzir em um novo contexto, de crescente digitalização e prestação de serviços, em particular os de apoio e complementação aos conteúdos educacionais.

2. A perspectiva de demandas mais estáveis ou declinantes e pressões por redução de preços nas economias do hemisfério norte motiva as editoras dos países desenvolvidos a buscar oportunidades de negócios em mercados com expectativas de crescimento de longo prazo, como o brasileiro. Assim, é provável a ocorrência de investimentos estrangeiros para a compra de editoras brasileiras, ou associações, em particular nos segmentos voltados à educação.

3. O crescimento do mercado de livros digitais se dará em um ritmo ainda indefinido e dependerá da evolução das vendas de e-readers no Brasil. O interesse anunciado no mercado brasileiro deverá mobilizar os produtores desses instrumentos de leitura a intensificar sua comercialização aqui.

4. A gestão da transição das editoras para o novo ambiente digital é estratégica para seus resultados de médio e longo prazos.

5. Será preciso desenvolver competências internamente nas editoras, para a produção de livros digitais, e externamente, com seus fornecedores.

6. Não há experiência pregressa; é um momento de aprendizado para todos em todos os mercados editoriais.

 

Leia também Pensando em entrar no mercado de livros digitais?

Acompanhe a página eletrônica do Sebrae sobre Economia Digital.

 

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae

Esse é o perfil institucional do Sebrae nessa comunidade. Quer saber mais sobre o Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas? Acesse: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/canais_adicionais/o_que_fazemos

Me siga