CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

Cuidados com o rebanho leiteiro aprimoram a lucratividade

Cuidados com o rebanho leiteiro aprimoram a lucratividade

038---01---rebanho-leiteiro

A indústria de laticínios, responsável pela aquisição e pelo processamento do leite, é um dos principais segmentos da indústria de alimentos brasileira, destacando-se entre as duas principais desse setor. Somente 5,3% das companhias captadoras têm capacidade maior que 100.000 litros/dia, caracterizando o setor com pequenos laticínios. Para abastecê-las, entram em campo os fornecedores de leite: coletadores, cooperativas de várias microrregiões próximas e produtores rurais. São eles que devem redobrar a atenção antes de o produto chegar à indústria. Afinal, para entregar um produto de qualidade e aprimorar a lucratividade, os cuidados começam no campo.

Veja, abaixo, algumas dicas que fazem a diferença no trabalho dos fornecedores de matéria-prima.

Controlando a reprodução

Para garantir um produto de qualidade, comece se preocupando com o seu rebanho, pois administrar corretamente as condições que influenciam os intervalos de reprodução é essencial como subsídio nas tomadas de decisão com o objetivo de melhorar o manejo e a lucratividade.

Uma das situações que, geralmente, deixam esse cuidado a desejar é no momento de fazer o intervalo entre partos (IP). O ideal em um rebanho leiteiro é que o IP seja contabilizado entre 12 e 13 meses. Um IP muito grande se explica por vários motivos, tais como: nutrição inadequada do rebanho, infecção uterina pós-parto, doenças transmitidas pelo touro, falhas na detecção do cio, no manejo da inseminação e manejo inadequado do rebanho.

No Brasil, os intervalos entre partos ainda são muito longos, pois há uma grande lacuna entre o nascimento de um bezerro e a nova cobertura. O primeiro passo para solucionar esse problema é estabelecer o controle reprodutivo do rebanho, que consiste basicamente em anotar as datas da cobertura, do parto e da secagem do animal.

Verifique outras recomendações em: http://bis.sebrae.com.br/GestorRepositorio/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/5ED43C8F8C05B3D28325768000624CF0/$File/NT00042E26.pdf

Como evitar doenças no gado leiteiro

O manejo sanitário para o gado leiteiro deve ser eficiente a fim de evitar que os animais venham a contrair doenças que possam prejudicar a produção de leite e causar prejuízos ao produtor.

Uma das vantagens comparativas do ambiente semiárido é a salubridade de seu clima com respeito à ocorrência de doenças tanto dos animais como das plantas. A maior parte dos problemas de saúde animal, nesta região, são reflexos diretos ou indiretos de uma alimentação deficiente, agravados pela utilização de genética e manejo inadequados. Em outras palavras, quando não se consegue o equilíbrio desejável na gestão desses fatores.

Assim, as práticas voltadas para manter a sanidade do rebanho consistem basicamente de cuidados dispensados às vacas gestantes, ao parto, aos recém-nascidos, na prevenção contra as principais doenças infectocontagiosas e no controle de endo e ectoparasitas.

Outros detalhes sobre o manejo solitário em: http://www.sebrae.com.br/setor/leite-e-derivados/o-setor/producao

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae