Cadastrar

Entrar

Esqueceu a senha?

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por e-mail.

Desculpe!, Você precisa se logar para perguntar.

Você precisa se logar para postar no Blog

Ação empresarial pela redução do desperdício de embalagens

Ação empresarial pela redução do desperdício de embalagens

Log Rev Emb Plas_Centro 1

A Lei 12.305 de 2010, instituindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), regulamentada pelo Decreto 7.404 do mesmo ano, disciplina a gestão e o gerenciamento dos resíduos sólidos, tendo como principal foco o sistema de logística reversa.

Esses sistemas serão implantados e operacionalizados mediante compromissos entre as três esferas do poder público, o setor privado e o terceiro setor, formalizados em Acordos Setoriais, que visam restituir os resíduos sólidos ao aos setores produtivos para o reaproveitamento no ciclo produtivo ou para a destinação final ambientalmente correta.

Uma coalizão empresarial que une os segmentos de papel e papelão, plástico, alumínio, aço, vidro e embalagens longa vida apresentou, neste último mês de março, uma proposta ao Ministério do Meio Ambiente para a recuperação de seus resíduos.

De acordo com o Cempre (Compromisso Empresarial para a Reciclagem) – uma das entidades que integra a coalização, a implantação do acordo se dará em duas fases: a primeira prevê a elevação da taxa de recuperação de resíduos sólidos recicláveis em 20% (fração seca do lixo urbano) e redução de 22% do total de embalagens encaminhadas para aterros ou lixões. A segunda fase, com data programada para acontecer a partir de 2015, estipula a redução de 45% dos resíduos descartados incorretamente em todo o território nacional.

O modelo apresentado pela coalizão empresarial é utilizar a estrutura de logística reversa existente e operacionalizada por cooperativas de catadores, catadores avulsos e comerciantes de sucatas, além de considerar contabilizar todas as iniciativas e programas individualmente das entidades participantes.

Uma das vantagens aferidas à medida é a redução do desperdício no setor. Só no segmento plástico, a Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) calcula que o potencial econômico desperdiçado hoje, por conta do não tratamento dos resíduos plásticos, é da ordem de R$ 5,8 bilhões.

Tal análise indica ainda a existência de oportunidades para a indústria da reciclagem de plásticos no Brasil. Hoje o segmento recicla apenas 22% dos resíduos gerados, classificando o país na 10ª posição entre os recicladores mecânicos de plástico do mundo.

A reciclagem mecânica consiste na conversão dos descartes plásticos pós-industriais ou pós-consumo em grânulos que podem ser reutilizados na produção de outros produtos, como sacos de lixo, solados, pisos, conduítes, mangueiras, componentes de automóveis, fibras, embalagens não-alimentícias e muitos outros. Essa reciclagem possibilita a obtenção de produtos compostos por um único tipo de plástico, ou produtos a partir de misturas de diferentes plásticos em determinadas proporções.

De acordo com dados da Plastivida (Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos), esse mercado de reciclagem é formado por 815 empresas, com faturamento bruto de R$ 2.394 milhões/ano – dados de 2011. O parque produtivo possui uma capacidade instalada de 1.716 toneladas e opera atualmente com 63% de sua capacidade.

Hoje 30% do plástico transformado no país é destinado ao setor de embalagens. O setor já foi convocado a aderir ao acordo, por meio de um comunicado da Abiplast. A entidade convocou as empresas produtoras de embalagens plásticas para produtos não perigosos, que ainda não aderiram que providenciem a sua adesão ao Acordo por meio do Sindicato Estadual ao qual são associadas.

Convocou também as indústrias recicladoras de material plástico a contatarem o Sindicato ao qual estão filiadas/associadas a fim de conhecerem as ações do Sindicato e da Abiplast para a organização e valorização da indústria de reciclagem, pois com a implementação do Acordo Setorial acreditam que essa indústria passará por grande modificação devido ao volume de material que será disponibilizado para a reciclagem.

Embora a adesão não seja obrigatória, o cumprimento da lei é. A adesão ao acordo, conforme ressalta a Associação, é uma forma de cumprir a legislação de forma mais simples, rápida, objetiva e com segurança jurídica.

A valorização dos reciclados

Log Rev Emb Plas_Centro 2A fim de valorizar empresas e produtos reciclados plásticos, a Abiplast lançou o Selo Verde.  Com validade de 2 anos, o selo poderá ser usado nas embalagens de resinas e de produtos transformados com 100% de plástico reciclado produzidos por recicladores certificados por trabalharem dentro dos critérios socioambientais e econômicos exigidos pela lei.

Sebrae

Sebrae

Sebrae
Esse é o perfil institucional do Sebrae nessa comunidade.
Quer saber mais sobre o Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas?
Acesse:
http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/canais_adicionais/o_que_fazemos

You must login to add a comment.

Posts relacionados