CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

A vida urbana moderna e seu impacto no consumo (parte 1)

Por Luciana Pecegueiro Furtado*

Consumidores nas cidades grandes têm pouco tempo; negócios devem, então, ser práticos e ágeis

O Sebrae fez um levantamento da vida urbana moderna e seu impacto nas relações de consumo. O estudo analisou as conseqüências da intensificação da urbanização. Em 100 anos, a população que vive em grandes cidades passou de 5% para 50% (2008). As projeções avisam que esse percentual chegará a 70% em 2050.

Qual a conseqüência disso para o consumo? Como as novas condições de vida se demonstram nesse ambiente? Como as micro e pequenas empresas podem aproveitar as oportunidades daí emergentes?

O estudo demonstra que essa tendência é caracterizada pela escassez de tempo, consequência da multiplicidade de papéis que as pessoas assumem. São novos padrões no comportamento de consumo, e as empresas devem se propor a resolver os problemas emergentes, focado na economia de tempo.

As novas necessidades que se deve responder são: sofisticação, indulgência, bem-estar e praticidade e conveniência. É importante considerar que a conveniência tem gerado maior impacto, assim, conveniência e praticidade são, acima de tudo, as principais prioridades. Com isso, têm grande potencial embalagens econômicas, comida instantânea, compras on-line, lojas perto de casa, lanchonetes e restaurantes, fast foods, lojas de conveniência e serviços de pronta-entrega.

Faça negócios nos centros urbanos

As empresas podem desenvolver algumas estratégias para atender as demandas decorrentes da vida urbana. Confira algumas melhoras que os negócios podem adotar ou ofertar:
• Embalagens fáceis de abrir, com fechamento firme;

• Embalagens econômicas, com porções individualizadas;

• Embalagens com design e informações sobre os benefícios à saúde do produto;

• Práticas relacionadas à sustentabilidade;

• Canais de distribuição focados em pequenos estabelecimentos, que atendem localmente;

• Produtos e serviços pela internet.

E não basta apenas ofertar, mas é preciso também promover uma exposição maior dessas mercadorias na loja ou supermercado.

No próximo post, veremos um dos segmentos com maior potencial para essa vida urbana corrida: alimentos.

*Luciana Pecegueiro Furtado é da Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros do Sebrae

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae