CADASTRAR

Entrar

Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

A busca do sonho empreendedor

A busca do sonho empreendedor

O empreendedorismo nunca atraiu tanta gente no Brasil. Segundo dados da última pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), de 2013, ter o negócio próprio é um dos principais sonhos do brasileiro, superado apenas pelo desejo da compra da casa própria e o de viajar pelo País. Apesar desse sentimento tão forte, será que as pessoas estão preparadas? “Antigamente, em épocas de crise, o empreendedorismo era a única saída para quem perdia o emprego. Mas o Brasil melhorou economicamente e, hoje, o principal motor do empreendedorismo é a oportunidade”, explica o consultor da área de Atendimento Setorial do Sebrae‑SP, Reinaldo Messias.

A pesquisa GEM do ano passado comprova o cenário: a cada 100 pessoas que abriram um negócio, 71 o fizeram por oportunidade. O dado é um marco, configurando o melhor registro desde o começo do levantamento, há 12 anos. “Isso mostra que o interesse vai além de simplesmente ganhar mais dinheiro. É sobre ser independente e ter a liberdade de dar os rumos à própria vida”, esclarece. Segundo ele, é uma mudança cultural, como mostra novamente a GEM: seguir carreira em uma companhia vem apenas em oitavo lugar entre os desejos dos entrevistados.

Apesar de a vontade de empreender ter crescido no Brasil, os desafios continuam grandes em razão da burocracia, dos altos custos trabalhistas e dos impostos. Além das questões estruturais, ser o dono de um empreendimento exige o desenvolvimento de habilidades e muita persistência. “Uma das mudanças é ter de trabalhar muito mais, às vezes até de fim de semana. Se está dando certo, ninguém se incomoda, mas quando não dá dinheiro, as pessoas começam a questionar as escolhas”, diz Messias. Além disso, é necessário aprender a liderar, reter funcionários e, ainda, arcar com o peso de tomar todas as decisões. “Todas as escolhas podem gerar prejuízos.

Como empregado, você levaria apenas uma bronca ao errar, mas, como dono, isso resulta em perda financeira.”

Foi o que aprendeu Luís Machado, criador do iCasei, plataforma online que permite ao casal a criação de um site personalizado para organizar o casamento. O empreendedor paulistano se casou em 2006 com Priscila, de Piracicaba, e teve a ideia de montar um site para facilitar a vida dos parentes da noiva no interior. O projeto foi tão elogiado que ele pensou em ganhar dinheiro com o conceito. “Virou sonho: ter um complemento de renda e ainda ajudar outras pessoas”, conta. O desejo foi realizado em 2007, com o lançamento da plataforma. Na época, ele estava bem estabelecido em uma grande companhia de softwares, mas, conforme o negócio próprio crescia, a esposa já não conseguia cuidar sozinha de tudo e Luís fazia jornada dupla noite adentro. “Em 2008, decidi abandonar o emprego, pois acreditava que meu negócio podia dar certo. Senti medo, mas a vontade de empreender falou mais alto”, lembra.

Com o crescimento, Luís teve de aprender sobre todas as áreas da empresa, desde o contato com o cliente até a parte tecnológica. “Aprendi muita coisa para não depender dos outros: o dono precisa ser generalista e saber se virar.

Além disso, tomar decisões é uma grande responsabilidade. Ao me confrontar com elas, sempre penso no que o cliente gostaria e nunca de forma apressada”, completa. Mas os desafios compensaram. Atualmente, o iCasei tem 16 funcionários e cria aproximadamente 3.500 sites para casamentos por mês, sendo pioneiro e referência no setor. Prova de sucesso para quem se arrisca por um sonho.

Acompanhe outros conteúdos como esse no site do Sebrae Mercados.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosNovo na comunidade