CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

11 Tendências Críticas do consumo para 2011 (parte 3)

Hoje veremos a 4ª e 5ª tendências:

4ª tendência: FEITO PARA A CHINA (SE NÃO PARA OS BRIC)

Espere um número crescente de marcas “ocidentais” lançando novos produtos ou até mesmo novas marcas dedicadas para consumidores em mercados emergentes. Afinal, é onde está o dinheiro agora, e as marcas ocidentais ainda são favorecidas – em detrimento das locais – pela combinação de qualidade percebida com um pouco de produção local, amor ou exclusividade.

Como todos os consumidores, os consumidores chineses, indianos e brasileiros vão apreciar os produtos que são adaptados às suas necessidades, desejos e anseios, tanto por razões práticas (forma, tamanho, características), como por causa do desejo profundamente enraizado de reconhecimento (orgulho cultural, patrimônio, estilos de vida).

O fenômeno “Feito para a China (se não para os BRIC)” é apenas uma das muitas subtendências geradas pela macrotendência de deslocamento de poder econômico e de consumo para os mercados emergentes. Só para lembrar:

– As vendas no varejo da China subiram 18,7% em um ano.

– As vendas no varejo da China podem superar as dos EUA, chegando a US $ 5 trilhões em 2016.

– Os consumidores chineses preferem as marcas estrangeiras: 52% dos consumidores cuja renda anual é superior a USD 36.765 confiam mais em marcas externas do que nas chinesas, enquanto apenas 37% disseram preferir a última (Fonte: McKinsey, setembro 2010).

Dentre as marcas que já seguem essa tendência são:

– Levi’s Jeans, dirigida a consumidores asiáticos com ajustes mais finos.

– Dior, com o extremamente caro Shangai Blue Phone, apenas disponível em lojas de Xangai.

– Hermès, com sua nova marca chinesa Shang Xia. Suas lojas de luxo vendem vestimentas e artes decorativas inspiradas na cultura chinesa.

– A Chloé, com sua edição limitada da bolsa Marcie para comemorar seu quinto aniversário na China.

– BMW, com o M3 Tiger, edição limitada em laranja metálico para comemorar o 25 º aniversário do seu modelo M3 na China, coincidindo com o calendário lunar chinês (o ano do tigre).

– Apple Xangai, cujos empregados começaram a usar camisetas vermelhas com o slogan “Desenhado na Califórnia, feito para a China” escrito em mandarim. A mensagem é uma brincadeira com as palavras que são encontradas na parte de trás de todos os iPhones: “Projetado pela Apple na Califórnia, montado na China.

PS: Marcas como a Honda (Li Nian), Nissan (Venucia) e GM (Baojun) estão ocupados introduzindo marcas “mais baratas” na China. Muitos consumidores em mercados emergentes ainda têm menos dinheiro para gastar do que suas contrapartes nos mercados consumidores maduros.

5ª tendência: SÍMBOLOS ONLINE DE STATUS

Neste ano, você não poderá fazer errado fornecendo aos seus consumidores online qualquer tipo de símbolo virtual com efeito no ‘mundo real’, que ajude a mostrar suas contribuições online, criações ou popularidade.

Cultura online ainda é A cultura e, portanto, veremos um aumento de símbolos de status online nos próximos 12 meses. O que começou com mostrar o número de visitantes para páginas do Flickr ou blog, agora também abrange o número de amigos do Facebook (ou qualquer outra rede social), seguidores no Twitter, número de check-ins no Foursquare e uma série de outras medidas que indicam uma loucura da conexão.

De fato, um elemento a mais para se observar é o status de novos símbolos entre os mundos ‘real’ e ‘online’. Desde as manifestações físicas do estado digital, até o reconhecimento online de atividades físicas, os consumidores procuram exibir seus símbolos de status online em todas as arenas.

Quer ver as outras tendências? Clique nos links abaixo:

1ª tendência / 2ª e 3ª tendências / 6ª e 7ª tendências / 8ª e 9ª tendências / 10ª e 11ª tendências

Luciana Pecegueiro Furtado, da Unidade de Acesso a Mercados

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae