CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

11 Tendências Críticas do consumo para 2011 (parte 2)

Na semana passada fizemos a introdução e apresentamos a 1ª tendência para 2011. Vamos ver as duas seguintes?

2ª tendência: ECONOMIA URBANA

A urbanização tem efeito sobre a experiência dos consumidores. A urbanização continua sendo uma das megatendências mais absolutas da próxima década. Atualmente, metade da população mundial – 3 bilhões de pessoas – vive em áreas urbanas. Cerca de 180 mil pessoas se mudam diariamente para as cidades, representando 60 milhões de novos moradores urbanos a cada ano. (Fonte: Intuit, outubro de 2010).

Qual o impacto disso no consumo? Em primeiro lugar, os consumidores urbanos tendem a ser mais ousados, mais liberais, mais tolerantes, mais experientes, mais propensos a experimentar novos produtos e serviços. Nos mercados emergentes esses efeitos tendem a ser ainda mais acentuados, isso se deve aos recém-chegados que se encontram afastados das estruturas tradicionais, sociais e familiares, enquanto constantemente expostos a uma gama maior de alternativas.

Em segundo lugar, mantenha sua atenção às “ilhas urbanas”: apenas 100 municípios representam atualmente 30% da economia mundial, e praticamente todas as suas inovações. Muitas são as capitais do mundo que evoluíram e se adaptaram ao longo dos séculos de dominação: Londres, Nova York, Paris etc. Apenas a economia de Nova York supera a de 46 economias da África Subsariana juntas. Hong Kong recebe mais turistas anualmente do que toda a Índia (Fonte: Foreign Policy, agosto 2010). No entanto, metrópoles como Xangai, São Paulo e Istambul estão, obviamente, ansiosos para se juntar ao ranking de liderança.

Para se aproximar dos cidadãos urbanos nessas vastas cidades exige-se uma abordagem local dedicada aos produtos, serviços e campanhas.

Em resumo: em 2011 invista em produtos, serviços, experiências ou campanhas que adaptam às específicas (e muitas vezes mais refinadas, mais experientes) necessidades dos habitantes urbanos em todo o mundo, se possível de cidade a cidade. E não se esqueça do “Orgulho Urbano” de estar em uma cidade específica.

3ª tendência: PANDEMÔNIO DA PRECIFICAÇÃO

Promoções relâmpago, compras em grupo, negócios orientados pela localização (GPS): a partir deste  ano, os preços nunca mais serão os mesmos….

Os consumidores sempre procuraram por ofertas e descontos especiais. Novos serviços e tecnologias predispõem 2011 a ver uma pandemônio de preços:

– Mais consumidores estão constantemente conectados, e quando ouvem falar de novos negócios online podem rápida e facilmente espalhá-los através das suas redes sociais.

– Cada vez mais, os consumidores farão parte de redes ou grupos exclusivos para receberem ofertas especiais ou demandar.

– Os dispositivos móveis cada vez mais possibilitam que os consumidores possam encontrar ou receber ofertas dinâmicas diretamente no ponto de venda, ou comparar preços online. A Amazon.com acaba de lançar um aplicativo para iPhone que permite aos usuários escanear o código de barras e comparar preços.

A conectividade permanente dos consumidores está mudando hábitos de consumo de inúmeras formas. Por exemplo, os antigos cupons de desconto exigiam planejamento e dedicação, assim não eram tão populares entre os consumidores mais interessados no “aqui e agora”. Contudo, agora é uma atividade online que quase não exige esforço. Além disso, sacar um smartphone no balcão, receber as últimas ofertas via GPS, ou código de barras é bem inteligente. E, portanto, uma fonte de status ao invés de vergonha.

As marcas continuarão a responder com uma série de novos modelos de negócios inovadores e estratégias de preços nos próximos 12 meses, com base em:

Grupos de compra: Os dois milhões de consumidores online agora podem exercer seu poder de compra coletiva, auxiliados pela variedade de serviços e redes sociais que tornam mais fácil se organizar e agir. Fique de olho no sucesso de 2010, o Groupon e seus concorrentes. Ou considere esse exemplo como a confirmação de que a compra em grupo está aqui para ficar: em setembro de 2010, o grupo chinês compra site Taobao vendeu 200 carros Smart em 3 horas e meia.

Vendas para associados: O antigo formato de “clube” recebeu um novo sopro de vida online, onde nichos de comunidades prosperam. Fazer algumas promoções limitadas ou apenas por convite, aumenta a percepção de exclusividade: alguns consumidores apreciam os aspectos sociais das compras, enquanto as marcas oferecem preços reduzidos a pequenos grupos. As marcas de designers de moda foram algumas das primeiras a oferecer grandes descontos grupos selecionados, por meio de sites como o vente-privee.com, mas as vendas para membros estão agora se expandindo para áreas como viagens (Jetsetter) e objetos de decoração (One Kings Lane).

– Vendas Relâmpago: Grupos e associados frequentemente usam ofertas por tempo limitado que incentivam a compra por impulso. Ao limitar o tempo disponível e vendendo apenas aos membros, as marcas são capazes de reduzir rapidamente o excesso de estoque. Sites como DellOutlet e Threadless tem obtido um grande sucesso com vendas relâmpago via Twitter, e em novembro de 2010 o site de venda relâmpago integrou suas ofertas na sua página do Facebook para que o consumidor pudesse olhar as sem sair do site. De fato, com tantos negócios diários, existem agora sites como Yipit e MyNines que agregam todas as ofertas.

Desconto local: Com os consumidores cada vez mais capazes de transmitirem sua localização, surgiram serviços baseados em localização via Facebook e Twitter. As marcas podem oferecer promoções diretamente aos consumidores praticamente no ponto de venda. Os sites podem oferecer recompensas para a realização de certas ações (Shopkick e Checkpoints), promoções geolocalizadas (Placecast), ou aplicativos habilitados por geolocalização, como Vouchercloud, do Reino Unido. Com efeito, apesar da alta dos serviços de check-in, como o Foursquare, as marcas B2C estão descobrindo que a melhor maneira de incentivar os clientes é oferecer-lhes oportunidades de aproveitar as promoções.

Precificação dinâmica. Tradicionalmente praticado pelas companhias aéreas, as melhorias na informação em tempo real estão permitindo que outros setores experimentem modelos inovadores de preços dinâmicos, como a norte-americana Off and Away, que leiloa quartos de hotel.

Quer ver as outras tendências? Clique nos links abaixo:

1ª tendência / 4ª e 5ª tendências / 6ª e 7ª tendências / 8ª e 9ª tendências / 10ª e 11ª tendências

Luciana Pecegueiro Furtado, da Unidade de Acesso a Mercados

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae