CADASTRAR

Entrar


Senha perdida

Perdeu sua senha? Por favor, indique o seu endereço de e-mail. Você receberá um link e criará uma nova senha por email.

Adicionar pergunta

Perguntar é uma funcionalidade apenas para usuários registrados.
Você deve fazer login ou se cadastrar para fazer a pergunta.

Entrar


CADASTRAR

Você pode se cadastrar gratuitamente no site. Basta clicar em CRIAR UMA CONTA e seguir o passo a passo.

1 em cada 4 adultos tem ou está abrindo negócio no país

1 em cada 4 adultos tem ou está abrindo negócio no país

 Infográficos: William Mur, Diogo Shiraiwa e Stefan/Editoria de Arte/Folhapress
Um em cada quatro brasileiros tem um negócio ou está criando um. Com
isso, o Brasil tem a oitava maior proporção de empreendedores em relação
à população adulta, entre 54 países pesquisados no mundo. Tailândia e
China lideram o ranking. Os EUA vêm em 16°. 

Para medir o nível de empreendedorismo, a taxa considera negócios
formais e informais em estágio inicial (abertos até três anos e meio) e
os estabelecidos (mais de três anos e meio).

Os dados serão apresentados hoje e fazem parte da 12ª edição da GEM
(Global Entrepreneurship Monitor), feita pelo Sebrae em parceria com o
Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade. 

No Brasil, são 27 milhões de empreendedores, ou 27% da população adulta, com idade entre 18 e 64 anos. 

O número é 28,5% maior do que o registrado em 2010. “Com a melhora no
ambiente econômico e diminuição do desemprego, o empreendedorismo passa a
ser uma opção por oportunidade e não necessidade”, diz Carlos Alberto
dos Santos, diretor técnico do Sebrae nacional. 

No ano passado, para cada empresa aberta por necessidade (devido a perda
de emprego, por exemplo), outras 2,24 foram abertas porque o investidor
enxergou uma oportunidade de negócio. 

Em 2002, essa proporção era inversa: para cada negócio aberto por necessidade, 0,77 era por oportunidade. 

“Saímos do empreendedorismo de fundo de quintal para negócios feitos por
profissionais mais capacitados”, diz Marcelo Nakagawa, coordenador do
centro de empreendedorismo do Insper. 

Além de mais profissionalizado, o empreendedor está mais regionalizado e otimista, diz ele. Nordeste e Centro-Oeste se destacam. 

Entre os que estão no mercado há menos de três anos e meio, 58% têm a
percepção de que, nos próximos seis meses, há boas oportunidades para a
criação de negócios. Na média dos 54 países, esse percentual era de 39%. 

Quase a metade dos empreendedores em estágio inicial (até três anos e
meio) informou ainda ter pretensão de contratar entre uma e cinco
pessoas em cinco anos. “Como houve mais formalização no país, é natural
que isso se reflita no empreendedorismo”, diz Fernando Barbosa Filho,
professor da FGV. 

Após 23 anos no ramo automobilístico, José Walderez Pinto, 51, se
aposentou e decidiu ­vender roupas em um shopping da zona leste. “Vi que
havia espaço para vender produtos de mais qualidade. Aproveitei a
oportunidade.” A meta é recuperar o investimento em 18 meses. 
 

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

Deixe um comentário

Sobre Sebrae MercadosSebrae